quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Por conta de algumas especulações, algumas explicações

Não tente entender meus "ele" ou "você", são tantos.
Os afetos de que preciso, não são qualquer tipo de afeto, de calor, de carinho, de gente.
Se não é amor, não é amor!
Nem eu me atrevo a desvendar esse sentimento turbulento. Mas sei que se fosse amor, eu não estaria aqui falando no passado, falando tantos "se".
Amor é quando você aceita a pessoa por completo, seja ela como for, doida como for, de quádrupla personalidade como for, e amar todas elas.
Amor é você gostar de jazz e aceitar que o outro goste de rock. Amor é você amar incondicionalmente alguém, não sua voz ou sua conversa.
Amor é querer dividir as coisas.
Amor, amor, amor.
Palavra forte demais para ser referida ao sentimento nutrido por nós, que não consegueria acender nem uma vela.

"Você diz que, é só de amor que eu sei falar..."
Explicar textos é tão horrível quanto ter que explicar uma piada. Simplesmente é, se não entendeu, não entendeu.
Se escreve o que se pensa; se não está escrito, não foi pensado; se não foi pensado, não existe.
Se eu disse não é não, se eu disse sim é sim.

2 comentários: