quarta-feira, 30 de junho de 2010

Disclosing

Eu estou com vontade de escrever e me expressar, mas dessa vez não é por meio de alguma história ou poema. Dessa vez são apenas divagações pessoais, desabafos, pode-se dizer.

Primeiramente, gostaria de falar que eu detesto bancar a "boa moça". Não me peça ajuda a não ser que eu ofereça ou seja de uma área do meu interesse. E não, ajudar os outros não é exatamente uma área do meu interesse. Pode soar egoísmo concentrado... mas não soa, É, e eu admito.

Qual o problema de dizer "não"? As pessoas tem (perdeu o acento diferencial de pluralidade) a ideia errada de que toda vez que alguém pede "por favor", ou se apresenta muito gentil ao pedir um help, elas são meio que obrigadas a ajudá-las. E eu discordo. Se você não sente-se na vontade de ajudar, por que ajudar? Por que ir contra a sua vontade? "Porque senão você será rude" pode ser uma resposta. Mas por que eu seria rude ao apenas obedecer a minha vontade e não a do outro? Num caso desses, acredito que eu estaria sendo rude comigo mesma se eu fizesse uma "boa ação" por sentir-me obrigada, por se tratar de uma convenção social. "Porque um dia você pode precisar de ajuda também" pode ser outra resposta. Pensemos. Para toda ação, há uma reação. Ao escolher determinada opção, eu também estou escolhendo suas possíveis consequências e estou ciente de que terei de lidar com elas. Logo, essa resposta não justifica nada, pois, partindo do pressuposto de que a pessoa que recusa a ajuda tem noção disso, ela está disposta a encarar a consequência de um dia precisar de ajuda e ser negada também. Trata-se de uma questão de escolha e saber respeitar a não-vontade de ajudar o outro.

O que acontece é que, em vez de ser respeitada por sua decisão, a pessoa que negou ajuda é, de certa forma, discriminada. Ela não é bem vista pela sociedade justamente por ela não ter obedecido à convenção imposta pela mesma! Isso não é injusto? Um absurdo? Uma pessoa ser "mal-vista" - ou até "mal-julgada" - por ter escolhido não ser rude consigo mesma em vez de não "ser rude com o próximo"?

Vale lembrar que não estou dizendo "Ê, viva o egocentrismo! Ninguém ajuda ninguém e cada um vive a sua vida!", óbvio que não. Nada contra àquelas pessoas altruístas, de "bom coração" - afinal, o que seriam de muitos se pessoas assim não existissem? - mas eu simplesmente fico irritada com situações em que há uma certa "obrigação" de ajudar o próximo.

Em segundo lugar, aonde foi parar a maturidade de certas pessoas? Pelas barbas de Wotan, AONDE? Porque tem gente que perdeu - ou ainda não encontrou mesmo - e se comporta de uma maneira, no mínimo, ridícula. De onde, DE ONDE, algumas pessoas adquirem a errônea ideia de que outras pessoas lhe pertencem? Pelas barbatanas de Poseidon! Pessoas não são objetos a serem pertencidos ou restringidos! Haja insegurança, não só na relação, mas em si mesmo, para agir assim! Uma coisa é certa: pessoas vem (sem acento circunflexo, segundo a grotesca reforma ortográfica) e pessoas vão. Aí vai uma luz a essas pessoas (porque hoje estou generosa) que pensam tão primitivamente: as que permanecem não permanecem porque te pertencem. Aquelas pessoas que permanecem na sua vida permanecem porque um significado muito além de posse existe. Aos que não depreendem as entrelinhas, eu claramente não estou falando de aspectos físicos por si só, mas da própria relação e seus frutos.

Enfim, em terceiro lugar (e será o último tópico-desabafo por hoje), eu me considero - e acredito ser considerada - uma pessoa muito, mas muito calma. Tenho um autocontrole (sem hífen devido a nonsense citada previamente) incrível. Contudo, como nem todos somos feitos de pedra, algumas pessoas conseguem me tirar da tolerância. Não são nem as pessoas propriamente ditas (quando não estou mal-humorada; convenhamos que mal-humor são outros quinhentos a se discutir, portanto deixemos para um outro dia de desabafo), mas seus comportamentos. Por enquanto essa questão ficará "pelo ar", pois só agora notei em quantos exemplos tenho a citar e trabalhar, coisa que não pretendo fazer agora.

Pararei por aqui, caros leitores.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Quote.

"A guy out there was meant to be the love of your life.
Your best friend, your soul mate.
The one you can tell your dreams to.

He'll smile at you, but he'll never laugh at your heart;
He'll brush your hair out of your eyes;
Send you flowers when you least expect it;
He'll stare at you during the movies, even though he paid $8 to see it;
He'll call you to say goodnight or just cause he is thinking of you.

He'll look in your eyes and tell you
'you're the most beautiful girl in the world'

And for the first time in your life, you'll believe it."

domingo, 27 de junho de 2010

Não.

Só quem tem o poder de te fazer sentir viva, pode fazer você se sentir morta. Só quem arrepia cada centímetro do seu corpo e faz você sentir o sangue bombear num ritmo charmoso, é capaz de estragar o mundo quando parte. Só quem tem o poder de tornar o mundo leve e fazê-la flutuar, também pode afundar sua noite e fazer com que seu corpo se arraste pelos restos que sobraram da festa.
Aonde está a força de negar um desejo se enquanto ele não é saciado continua existindo? Desejos nascem, ocupam lugares interessantes do seu corpo, e não morrem antes de uma manhã suja de arrependimentos e clicks que a vida nos dá, também chamados de momentos de verdade, que em muito se parecem com toques de mágica para você sair do estado encantado e falso da imaginação.
O tempo não se encarrega de matar desejos, apenas de substituir os personagens. Você pensa que é forte sendo moralista, respirando fundo, contando até mil, sumindo da festa, rezando, desviando sua atenção... Mas ele está lá, num bar com amigos, te olhando de longe. E ele continua lá mesmo depois que os amigos o levaram, meio embriagado, para casa.
Ele está no vazio que deixou, na dúvida de como poderia ter sido, na esperança do próximo encontro, na consciência leve pela negação e pesada pela cobrança de uma vontade ainda latente.
Pecados existem, não os julgados por Deus, não as picuinhas julgadas pelos humanos. Pecados existem dentro dos corações traidores.
Mas se antes meu coração ardeu e se assustou de pecados, agora ele chora de saudade, de covardia e de aceitação. Ele está puro e nem por isso tranqüilo.
Esse é o maior problema dos desejos,

eles não aceitam não como resposta.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Chess

I've been fooling myself all this fucking time.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Existe algo de bonito quando você fica assim distante, quando eu sinto que eu não posso te alcançar, quando eu lembro que nem sempre eu vou poder te proteger. Mas eu não gosto de te ver assim, é como se uma parte de mim estivesse tão completamente unida a você que eu já não sei sentir nada além daquilo que você sente. E o seu amor é o meu amor, e eu sinto falta do seu sorriso e das brincadeiras. Não me importa o que os outros pensam, eu sei tudo o que você significa pra mim e eu gostaria que você soubesse que eu só tenho a minha vida inteira pra te oferecer. A minha e dos nossos filhos e de tudo que vai crescer por sua causa. Então independentemente do que aconteça eu vou estar aqui. Mesmo se for pra te chamar de teimoso e te olhar com reprovação como você sabe que eu faço. É só pra te proteger, é sempre pra te proteger.
São 21:21 e eu queria estar aí te fazendo rir, fazendo comentários estúpidos e agindo como criança que é pra você esquecer dos seus problemas por instantes. Queria te cobrir de beijos, pular na sua cama e roubar seu edredon e chamar de meu. Queria que você tirasse meus óculos e colocasse atrás da persiana como sempre faz. E que a gente ficasse conversando e você ali me olhando e que você conseguisse dormir. Pelo menos descansasse um pouco, porque eu me preocupo com você e você sempre diz que estar ao meu lado te traz paz, te acalma. Você é mais do que qualquer outra pessoa pra mim, sabe? Por que eu sei que você é família, você sempre foi família pra mim. Juro que não me importaria com você roncando, amor, acho até graça, me acostumei. Eu só queria que você conseguisse ver que eu sempre vou estar aqui, que eu sou a garota que deita no chão por você e eu jamais vou sair do seu lado. Você me ofereceu planos e um amor novinho. Você  já puxou minha orelha e já me fez rir tantas vezes. Amo o teu jeito louco e não quero que nada tire do seu rosto a minha covinha. Eu quero te ver feliz, por que eu sei que tudo sempre se ajeita. É por isso que nós somos assim, mesmo em meio as nossas imperfeições, tão perfeitos um para o outro.


Então deita aqui sua cabeça no meu colo, que eu prometo tentar fazer todo o resto parecer menos difícil...
Por que tudo parece menos difícil quando é só eu e você.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

E é só você que me faz cantar

Bom dia, olha as flores que eu trouxe pra você, amor.
São pra comemorar aquele dia que passei a viver do teu lado.
Eu me lembro, entre nós não havia quase nada e agora é só você que me faz cantar.
Havia mil motivos pra eu não estar naquele show, mas o nosso destino foi escrito sob o som de uma banda qualquer...

terça-feira, 15 de junho de 2010

The fairest one

"And she whirled along in the dance, floating as the swallow soars when it is being pursued, and everyone applauded her and cried out in admiration. Never had she danced so magnificently. It was as though sharp knives were cutting her delicate feet, but she didn't feel it. The pain in her heart was even greater. She knew this was the last evening she would see the one for whom she had left her family and her home, sacrificed her beautiful voice, and daily suffered endless agony without his ever realizing it. It was the last night she would breathe the same air as he, see the deep sea and the starry sky. An endless night without thoughts or dreams awaited her - she who neither had a soul nor could even win one. And there was gaiety and merriment on the ship until long past midnight. She laughed and danced, with the thought of death in her heart."

The Little Mermaid, de Hans Andersen.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Eu vou continuar dizendo sim.

Daqui uns dias... Você vai me ligar. Querendo tomar aquele sorvete de sempre, querendo me esconder como sempre, querendo me amar só enquanto você pode vulgarizar esse amor. Me querendo no escuro. E eu vou topar. Não porque seja uma idiota, não me dê valor ou não tenha nada melhor pra fazer.
Apenas porque você me lembra o mistério da vida. Simplesmente porque é assim que a gente faz com a nossa própria existência: não entendemos nada, mas continuamos insistindo.
Eu nunca vou entender porque a gente continua voltando pra casa querendo ser de alguém, ainda que a gente esteja um ao lado do outro. Eu nunca vou entender porque você é exatamente o que eu quero, eu sou exatamente o que você quer, mas as nossas exatidões não funcionam numa conta de mais...

domingo, 13 de junho de 2010

Song #1

Olhando pro céu, sentindo o cheiro no ar
E as estrelas a me assistir
Tão perto parece, agora, longe demais
De qualquer lugar que eu possa ir
E se eu conguisse ao menos dizer
E se você conseguisse ao menos ler
Saberia
E se eu conseguisse ao menos dizer
E se você conseguisse ao menos ler
Saberia
Que eu sempre penso em você

Lembranças parecem a mente povoar
Com tudo que a gente viveu
Dos sorrisos bobos ao teu perfeito olhar
Que costumava cruzar com o meu
E se eu conguisse ao menos dizer
E se você conseguisse ao menos ler
Saberia
E se eu conseguisse ao menos dizer
E se você conseguisse ao menos ler
Saberia
Que eu amo você

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Um velho amor com cheiro de novo.

– Você acha que o nosso amor pode fazer milagres?
– Eu acho que o nosso amor pode fazer tudo aquilo que quisermos.






É isso que te traz de volta pra mim o tempo todo.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Mais Um

Amor, eu vou contar-lhe mais um de meus segredos...

Toda noite, antes de dormir, eu me fecho para esse mundo tão passageiro e transporto-me para o nosso mundo. Ele é constituído de lembranças, sonhos e tudo parece ideal, como é de se esperar. Tudo se passa lentamente, desfruto cada segundo e, como se não bastasse, revivo cada preciso minuto. Lá, eu é que sou a Dona do Tempo.

Toda noite, antes de dormir, cultuo Mnemósine, aquela a quem devo as tantas emoções que resistem ao tempo; posso assegurar-lhe de que é pura a devoção.

Toda noite, antes de dormir, compartilho das tristezas de Nana, a esposa de Balder. A viuvez é algo que nos parece semelhante, de certa forma.

Toda noite, antes de dormir, deleito-me em nossos metafísicos abraços, assim como repouso sobre nossos planos traçados; doem-me parecerem tão longínquos, às vezes...

Toda noite, antes de dormir, contemplo teu sorriso e entrego-me ao teu convite noturno. Quando você parte, pereço sempre ao amanhecer. Renasço na esperança do fim, prontamente à tua espera.

Amor...

Toda noite, antes de dormir, desespero-me por ti.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

De volta.

Não vou perguntar por que você voltou.
Acho que nem mesmo você sabe... Eu também não queria perguntar, pensei que só no silêncio fosse possível construir uma compreensão, mas não é, sei que não é, você também sabe, pelo menos por enquanto, talvez não se tenha ainda atingido o ponto em que um silêncio basta?
É preciso encher o vazio de palavras, ainda que seja tudo incompreensão?
Só vou perguntar por que você se foi, se sabia que haveria uma distância, e que na distância a gente perde ou esquece tudo aquilo que construiu junto.
E esquece sabendo que está esquecendo...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Preciso de alguém

Meu nome é ______.

Moro no segundo andar, mas nunca encontrei você na escada.

Preciso de alguém, e é tão urgente o que digo. Perdoem excessivas, obscenas carências, pieguices, subjetivismos, mas preciso tanto e tanto. Perdoem a bandeira desfraldada, mas é assim que as coisas são/estão dentro/fora de mim: secas.
Tão só nesta hora tardia - eu, patético detrito pós-moderno com resquícios de Werther e farrapos de versos de Jim Morrison, Abaporu heavy-metal -, só sei falar dessas ausências que ressecam as palmas das mãos de carícias não dadas.
Preciso de alguém que tenha ouvidos para ouvir, porque são tantas histórias a contar. Que tenha boca para falar, porque são tantas histórias para ouvir, meu amor. E um grande silêncio desnecessário de palavras. Para ficar ao lado, cúmplice, dividindo o astral, o ritmo, a over, a libido, a percepção da terra, do ar, do fogo, da água, nesta saudável vontade insana de viver.
Preciso de alguém que eu possa estender a mão devagar sobre a mesa para tocar a mão quente do outro lado e sentir uma resposta como - eu estou aqui, eu te toco também.
Sou o bicho humano que habita a concha ao lado da concha que você habita, e da qual te salvo, meu amor, apenas porque te estendo a minha mão.
Tenho urgência de chamar alguém de meu amor. Tenho urgência de ti. Para me salvar da lama movediça de mim mesmo. Para me tocar, para me tocar e no toque me salvar. Preciso ter certeza que inventar nosso encontro sempre foi pura intuição, não mera loucura.
Ah, imenso amor desconhecido. Para não morrer de sede, preciso de você agora, antes destas palavras todas cairem no abismo dos cadernos e anotações não lidos ou jogados sem piedade no lixo.
Do sonho, do engano, da possível treva e também da luz, do jogo, do embuste: preciso de você para dizer eu te amo outra e outra vez.
Como se fosse possível, como se fosse verdade, como se fosse ontem e amanhã.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

(In) Capacidade

Eu olhei pra ela, sentindo aqueles olhos vermelhos penetrando a minha alma, respirei fundo e disse:
– Isso não é motivo pra chorar.
Ela soluçava na minha frente, como se eu tivesse dito a pior coisa do mundo:
– Mas você acabou de dizer que isso não está indo pra lugar nenhum, você simplesmente desistiu.
– Não foi isso o que eu disse
– Foi o que então? – rugiu Elisa
– Eu disse que eu não acreditava no amor, mas eu pensei que estivéssemos sendo sinceros. Foi isso que você pediu que eu fosse.
– Eu sei.
– Então, você queria que eu mentisse e dissesse que eu sinto um otimismo tremendo quando eu falo de amor? Porque não é assim, Elisa. Nunca foi e você sabe.
– É.
– Só isso que você vai dizer? "É"? – eu baixei meus olhos
– O que você quer que eu diga? Quem pergunta o que quer ouve o que não quer.
– É.
Ela riu.
– Gustavo.
– Oi.
– Eu gosto de você porque você é problemático.
Eu franzi a testa, que belo jeito de me sentir amado.
– Gustavo?
– Hm.
– Eu te amo porque você é problemático. – ela suspirou – Eu te amo porque eu sinto que eu posso te consertar.
– E já não o fez? Elisa, eu era outro homem.
– Eu sei.
– O seu ideal romântico não bate com isso?
Silêncio. Foi o momento mais desconfortável da minha vida...
– Hein? - eu peguei seu rosto em minhas mãos, vendo seus olhos se encherem d´água
– Não.
Silêncio. Eu a olhei como se estivesse espantado, mas nada sobre aquilo me assustava, era como uma calma caótica.
Caos. Sempre foi meu sobrenome.
– Gustavo?
– Fala.
– O mundo não é perfeito.
– Eu sei.
– Nem você
– Eu sei – não pude deixar de rir dessa constatação.
Ela pegou na minha mão e disse gentilmente:
– Mas você é o mais próximo disso pra mim. Então...
– Então?
Ela me beijou.
Nada mais precisava ser dito.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Mandamentos do namoro

01. Não diga eu te amo constantemente.
Dizer eu te amo a cada minuto, não aumenta o nosso amor. Muito pelo contrário, essas três palavrinhas mágicas acabam se tornando palavras comuns como “bom dia” ou “como vai você?”, um saco. Lembre-se sempre, você não precisa dizer ou escrever para mostrar o que sente, você precisa fazer.

02. Não pergunte tudo.
Mulher odeia se sentir sufocada. A individualidade do casal jamais deve ser corrompida por simples ciúmes. Você não perguntou só para saber: Curiosidade é uma coisa, chatice é outra.

03. Jamais tenha ciúmes da melhor amiga.
Ela provavelmente chegou antes, portanto você não tem direito algum de se sentir dono do terreno. Namorado nenhum substituiu uma melhor amiga. Afinal, nós não reclamaríamos de você para você mesmo, reclamaríamos?!

04. Tenha Paciência Merda ou TPM, como preferir.
Nunca provoque uma mulher nessa fase. Se estivermos em silêncio, nos deixe. Se estivermos gritando, tampe os ouvidos. Tenho certeza que os outros dias do mês que passam com a gente compensam esses meros diazinhos em crise.

05. Não seja carente no msn.
O pior tipo de cara é aquele que se transforma online. Msn não é lugar de suprir carência, (isso é muito pré-adolescente) portanto deixe para brigar, beijar e dizer coisas fofas pessoalmente. Ah, e não pergunte se estamos bem se tiver acabado de nos encontrar, isso é idiota.

06. Nunca corte o cabelo.
Ame o coração da sua namorada. Não nos dê sustos. Surpresa boa é aquela que vem dentro de uma caixa, não a falta de cabelo na sua cabeça. Quando estiver grande avisamos, prometemos.

07. Faça barba sempre.
Ok, esse mandamento vale apenas para as namoradas que não gostam disso (e acho que é a maioria, haha). Não se sinta injustiçado, nós não temos barba, mas temos axila, perna, e virilha.

08. Use perfume all the time.
Homem cheiroso é tudo. Nós nos lembramos de vocês quase sempre pelo cheiro, então…

09. Faça ciúmes.
Não muito! Só um pouquinho. Nós costumamos esquecer o valor das coisas que temos, e fazer sentir que estamos perdendo é a melhor maneira de fazer a paixão acordar. (Mas de leve, poxa).

10. Um degrau por vez.
Não dê uma de esperto, e tente fazer as coisas irem rápido demais. Nossa consciência trava o coração, então se fizermos algo que não nos faça sentir bem, provavelmente nunca mais queiramos ver sua cara. O segredo é subir um degrau de cada vez, sem pular nenhum. Todas as pessoas que eu conheço que fizerem isso, caíram e hoje estão curando suas feridas com outras pessoas. Então…

Desculpe, sou sincera.




PS: Alguém tinha que postar uma coisa mais zuada, né brother! Hahaha.