domingo, 30 de setembro de 2012

Wishing

Todo segundo eu desejo que você esteja aqui do meu lado, que eu possa escutar sua voz contando aquela mesma anedota pros nossos amigos e te ouvir gargalhar, quase sozinho, já que todo mundo se cansou da mesma história dez vezes pra cada.
Sinto saudade de como o seu perfume ficou impregnado pela parede do quarto, nas roupas, acho que até na maçaneta da porta. Eu rearranjei a casa inteira pra não ficar com a constante lembrança de você encostado na prateleira me vendo assistir TV, pra eu não pensar em como você gostava de como eu dobrava o jornal quase num origami em cima da mesa pra fazer as palavras cruzadas; reorganizei tudo pra me livrar de você.
E veio João. Marcos. Ângelo. Raphael. Victor. Gustavo.
Nenhum deles me fez esquecer, eles vinham com o perfume mais cheiroso do mundo, mas quando eu chegava em casa sozinha, era o seu cheiro que eu sentia, era o seu rosto que eu via quando eu fechava o olho... Era com você que eu sonhava.
Descobri que tudo fica mais difícil depois que a gente sente o gosto do amor, mesmo que seja só encostar os lábios nele, meio temerosa pelo gosto que vai ter toda aquela explosão que existe dentro da gente.
É difícil pensar em você, sonhar com você, amar você do jeito que eu faço.
Mas eu vou parar.
Depois desse segundo vou desejar que apareça alguém melhor, alguém que me faça provar do amor do jeito que eu mereço, dar uma mordida, sentir o gosto agridoce e ver que é aquilo que eu quero pra minha vida.
Eu não posso ficar pra sempre bancando a idiota.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Waiting

Abre seu olho e olha bem no meu.
Você tá me vendo piscar, titubear ou qualquer coisa do gênero?
Se você tá, é porque você deve estar vendo coisa onde não tem, porque eu te digo e até em negrito eu não estou brincando, até porque eu não tenho razão pra brincar com uma coisa séria dessas.
Você tem que entender que quando você disse que era o fim, foi o fim pra mim, eu entrei no fundo de um poço e não sabia mais como proceder, parecia um ator com medo do palco: sabia o que eu tinha que fazer, mas na hora H eu desaprendia tudo ou tinha medo que você me olhasse e não sentisse absolutamente nada enquanto eu estava fazendo um milhão de declarações de amor pra você.
E de repente não parecia mais justo que eu ficasse no fundo do poço e você estivesse tão lindo me contemplando aí do seu pedestal, então eu resolvi ir subindo... Baby steps, darling.
Eu posso não ser essa pessoa maravilhosa e cheia de companheiros como você é, porque o seu excesso de "amigos" só denota quão sozinho você é, não para com um só, não tem o que eu tenho. E é exatamente por isso que eu olho pra você enquanto você me pede pra voltar e eu não vejo aquela criatura elevada e maravilhosa que me magoou.
Se eu estivesse no seu lugar, eu largava minha munição e começava a pensar que eu superei todo aquele sofrimento que você causou mais rápido que você tá superando minha ausência na minha vida.

Então pela última vez eu te digo:
Não.
Te.
Quero.
Mais.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Sitting

Eu estava aqui sentada no banco esperando ansiosamente por você.
Perfume no pescoço, faixa no cabelo e todos os frufrus que eu achava dignos de você até então.
Eu tava sentada, porque você mandou eu ficar sentada naquele banco, o banco onde você disse que me queria mais do que você queria sorvete de tapioca, mais que uma coca-cola gelada no deserto.
Juro que eu estava preparada pra dizer sim quando eu te vi todo arrumado lá no horizonte, você parecia brilhar, parecia o lago que tava na minha frente, quase o oposto de quem eu sempre achei que você fosse.
Você ia voltar e ia me perguntar o que eu sempre quis.
Não é?
Mil coisas se passaram na minha cabeça naqueles 10 metros que você andou, por fim deu um suspiro, falou que me amava demais, mas que nunca tinha se visto tão melhor, tão mais leve depois que tinha terminado comigo.
Por que eu precisava saber isso?
Por que eu ainda tava a mesma coisa?
Você me disse que se a gente desse um tempo ao tempo, a gente podia fazer isso funcionar, desde que os dois fizessem uns ajustes mais finos um no outro.
Eu mandei você ao diabo e você me olhou, quase sabendo o que isso significava.
Mas não, querido.
Eu não posso ficar sempre esperando por você.

domingo, 9 de setembro de 2012

Ex-Cega

Agora eu vejo.
Nunca precisei de você.

sábado, 8 de setembro de 2012

Backslides

Não sei definir ao certo se parei de te amar, se você parou de me amar ou se a gente ainda se ama e as coisas só não conseguem parecer tão fluidas e felizes.
Eu sei que existe alguma coisa entre a gente, eu não sei te dizer o que é e não tenho interesse em fazer uma análise profunda em mim mesma pra dizer o que é, só complicaria mais as coisas e convenhamos... Somos bem complicados do jeito que as coisas são.
Eu acho que eu precisava só desabafar e dizer que eu sei que eu vou ter um milhão de recaídas nessa vida, na real, se eu pudesse ter um sobrenome, seria recaída. Recaída da Silva, fica bonito, brasileiro, quase poético, como se eu fosse uma menina diferente...
Mas eu tô fugindo da confissão, né, então eu vou voltar a te contar.
Eu sei que eu disse há dois anos que eu não queria mais falar contigo, há dois meses que eu gostaria de você longe da minha vida para que eu pudesse respirar, há duas semanas que eu queria matar a saudade e há dois dias que eu te odeio.
Então eu vou parar com essa bipolaridade e te dizer que eu não consigo viver minha vida com você estando sempre nela, é difícil demais ver você como uma voz na minha cabeça me dizendo o que você ama e odeia em mim.
Vou propor um acordo então: você some pra lá e eu sumo pra cá, mesmo que a gente saiba que nalgum lugar do mundo a gente ainda se encontra, afinal de contas, Brasília é um ovo, mas a gente vai relevar a presença um do outro.
Pode ser?
Vai ser melhor pra gente, né? Pras outras pessoas que terão a chance de ficar com a gente e ver como somos maravilhosos, simbora?
Então tá combinado...

Até a gente mudar de ideia.