sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Cansei, e hoje é sério.

Você sempre me enrolou e eu sempre te vi como alguém melhor do que você era. Sempre pensei que você fosse diferente dos outros homens, ou pelo menos diferente comigo.
Então eu tô aqui pra dizer que eu cansei de me esforçar pra fazer isso funcionar se sou eu sempre quem tem que dar o primeiro passo, e que de tantos primeiros passos estou já cansada de andar; não faço mais questão de alimentar o teu ego, nem de  nutrir teu orgulho porque você perdeu seus direitos comigo, eu não te quero mais.
Eu cansei de construir desculpas pra você, pro teu descaso e pra tua falta de respeito comigo.
Se você me quiser de volta, vai ter que se colocar na minha mão, vai ter que sofrer, penar, tentar adivinhar o que eu estou pensando, pra variar.
E eu posso te dizer uma coisa, um segredo?
Você não vai conseguir.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

domingo, 26 de dezembro de 2010

Happy Christmas

Mais um Natal sem você, mas eu te digo:
Eu estou feliz, finalmente.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Bipolar

Ora me ama, ora me odeia.
Ora fala comigo, ora não quer nem saber...
E eu aqui pensando que eu era a bipolar, quando você não faz nem idéia do que está fazendo, então, para você decidir o que quer eu vou lhe contar tim-tim por tim-tim do que aconteceria se você me escolhesse: seria felicidade garantida, porque se você gosta de mim como eu gosto de você, a gente poderia dar um jeito de superar outros problemas; você chegaria em casa e eu lhe cumprimentaria com um beijo sutil e você ia perceber o quanto você sentiu saudades de casa; você criaria nossos filhos pra torcer pelo teu time, já que eu não gosto tanto assim de esportes; eu escolheria o nome dos nossos filhos, porque... bom, porque eu posso, né; você não ia mais se sentir vazio ou um impulso louco de fugir, porque você estaria exatamente onde deve estar: comigo.
Eu não estou suplicando, eu nunca faria isso, estou apenas te mostrando as consequências da sua escolha, querido, porque pode não parecer agora, mas o melhor dia da sua vida foi quando você me conheceu, acredite isso não é arrogância, só bom senso.
Porque eu conheço seus defeitos, seu jeito esquisito de lidar com as situações e como o seu beijo é puramente inesquecível, então, diferenças de lado, querido... Eu sou o melhor pra você e isso te assusta.
E então, senhor Bipolar... Prefere o Medo ou o Amor?

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

ἴδιος (idiótes)

"O negativismo positivista sufoca a imaginação que é a alma de um pensamento em palavras sempre mal expresso, isto é, expresso sem o rigor que se exige da expressão científica. A imaginação é a faculdade, a capacidade, a virtualidade do imaginário; e o imaginário é o possesso tecedor de imagens; e as imagens são lugares, pontos de encontro, centros coloquiais de coisas afins e confins, que uma pseudo-realidade separou. Só nos sonhos elas se encontram e convivem por instantes que valem eternidades. Mas que importam os sonhos para quem já não pode crer em que os deuses no-los enviem, como sinais de via aberta para livre-trânsito? Presumivelmente o trânsito se fechará a poucos passos andados à superfície do que abusivamente se chama realidade. Que importa? Pior para a realidade! Muito pior ainda para uma realidade que é sempre a dos outros. Mas o pior de tudo, para os outros, pode ser o melhor de tudo para mim. Talvez mereça que me chamem de idiota, podem fazê-lo, no sentido etimológico do grego ou no sentido comum do vernáculo. Neste, sofro de loucura mansa; naquele, sou portador de características incomuns. Posso associar os dois, deixá-los associados, fundidos um no outro, até que me mostrem o que seja realmente real, mas não por sufrágio da maioria. Por enquanto, nada feito! Os outros que façam o que acho inútil fazer. Porque Realidade talvez seja o oposto da Objetividade, e muito bem se pode dar o caso de o idiota já se encontrar instalado na mais real das realidades, distraidamente, sem perseguir qualquer propósito definido, só por recusar a quintessência ou o refugo do pensamento sensato e ajuizado dos outros. Não estou pronunciando outro elogio da loucura, porque ninguém será louco por exortação alheia. Só sei, através de Platão, que o sair fora de si ou o banir-se de si próprio, é uma bênção divina, um inestimável dom dos deuses. Questão é só a de não ser louco por querer. Ou de não querer distinguir-se dos outros, por desafio ou acinte. Não sabem, os que assim fazem, quantos os verdadeiros loucos se riem deles. Loucura não é extravagância, porque esta só é o mais significativo sinal da imbecilidade de quem não pode achar o caminho de sua casa, de quem, não sofrendo de nostalgia, nem o quer achar. Se Ulisses fosse extravagante, em vão o esperaria Penélope; a Odisséia não teria chegado ao fim. Não quero que ninguém pense que orgulhosamente estou fazendo de insensato. Sou lucidamente lúcido e, como tal, prosseguirei."

Mitologia, de Eudoro de Souza (págs. 112 e 113).

sábado, 11 de dezembro de 2010

Laila and Theo

"você diz que eu não ligo pras coisas idiotas que você fala, que eu não presto atenção nos detalhes e eu realmente não presto, não vou mentir pra você, mas é porque tá tudo tão desgastado, Laila, tudo tão passado que eu não tenho mais força nem pra brigar contigo, nem pra dizer que você é a melhor coisa que me aconteceu... não sei o que isso significa, não me pergunte. Theo."

"eu sempre senti você distante de mim, eu sempre soube que você estava vagando em outro mundo enquanto eu compartilhava tudo, idiota, você acha que eu não tenho olhos pra ver o real cafajeste que você é, eu queria você todo pra mim, sabendo o que eu iria fazer, mas acho que isso é muito a pedir, mesmo que eu te ame o único impulso que eu sinto agora é de ir aí e te esganar ao invés de responder isso. Laila."

"se você tentasse saber tudo de mim também, né, Laila, fora que esse lance de conhecer por inteiro é coisa previsível, é isso que faz casais como seus pais se separarem, sinceramente, ninguém gosta de coisas lineares, tanto que quando a gente morre, aparece uma linha reta naquela maquininha lá, eu sei que você não tá morta, mas eu acho que é pedir demais... não que eu te escute, eu fiz e faço isso com prazer, a melodia da sua voz me faz ficar calmo... vê o que você faz, até melosinho eu fico, pelo amor de Deus, mas o que é pedir demais é que eu seja inteiramente seu se uma parte de mim se foi com tanta gente que se foi, então não me pede o inimaginável, eu te amo. Theo"

"idiota, idiota, idiota, idiota, se você acha que eu vou me derreter toda com esse mel aí, você tá redondamente enganado, eu tô pedindo pra te curar, pra te colar, mas você parece que vê o caos e se sente atraído por ele, sinceramente, tá tudo uma merda e eu te amo, não sei porque. Laila."

"você tá no caos... por isso que eu sempre volto... não dá mais, né? Theo, ainda te amando."

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Your fragile heart...

Hmm, não?

Não vou ouvir, não pedi, não perguntei, não tenho interesse em saber qual é tua banda favorita, muito menos tua música favorita deles?

Não vou compartilhar meu gosto contigo e se você tem mesmo esperanças de que algum desses teus papos-furados proporcione alguma situação propícia para uma possível interação, o mínimo que seja, faço questão de te avisar que você está enganado (como você costuma estar em tantas besteiras que fala sem saber do que está falando).

Engraçado que eu costumo ser muito agradável, costumo simpatizar com colegas e minha vontade de compartilhar frações de meu mundo com alguns deles surge naturalmente, mas você conseguiu a proeza de me fazer criar uma repulsa que eu nunca havia tido ainda.

Você escolheu sofrer pela garota certa. Você não me conhece e se depender de mim nem vai. E não adianta você insistir, bancar o simpático ou o educado (se você soubesse o quanto isso me enoja e feeds my contempt...). Eu evitei esse comportamento, essa “revelação da minha parte fria”, ao máximo. Porém, você conseguiu alcançar um patamar de intolerância em mim que eu mal consigo disfarçar; pois é, não me importo com os teus sentimentos – I don’t give a damn, at all.

É ridículo. Você pensa mesmo que eu não sei das tuas artimanhas (se é que podemos chamar essas tentativas fracassadas de artimanhas) ultrapassadas de tentar se aproximar de mim? Você se acha mesmo engraçado quando faz brincadeiras toscas? Você se acha mesmo interessante? Acha mesmo que sabe alguma coisa?

Você insistiu na garota errada. Nem para insuflar meu ego você me serve.

Cresça e me erra.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Down The Well

Eu queria falar que eu não te amo
Queria chegar e dizer na sua cara que se você voltar não vai ferrar meu mundo todo, queria dizer e realmente acreditar que dessa vez é sério
Mas não é… então vamos descer no poço como se não houvesse amanhã, vamos rever aquelas memórias idiotas e encapetadas que você proporcionou
Eu juro que dessa vez vai ser diferente, a gente cresceu, a gente cicatrizou o máximo que podia e agora não tem mais o que mostrar, nenhuma ferida aberta pra gente fingir que ainda dói se preocupar
Vou descendo esse poço com ou sem você… mas eu sei que você vai me acompanhar eventualmente.

Someone To Love

Você diz que está bem e que eu não devo me preocupar contigo, amor, mas eu não posso evitar se seu lado danificado fala muito alto com meu lado curandeiro. Você sempre foi bom pra mim e por isso que eu tenho essa necessidade tão grande de te ver feliz, você consegue ver isso também?
Eu sei que você não vai ficar tanto tempo sozinho quanto eu esperava, e eu sei que isso é normal principalmente quando você está superando uma pessoa e aqueles anos que você passou com ela praticamente não significaram nada no final além de palavras ocas e “eu te amo” forçados.
Eu quero que você encontre alguém que você ame com tanta intensidade que você mal possa respirar perto dela, eu quero que você encontre alguém que não te faça sentir tantos ciúmes e que seja gentil como você merece. E eu sei que você consegue encontrar alguem assim… Eu sei que você vai encontrar alguém assim…
Você diz que está bem e que eu não devo me preocupar contigo, amor… Mas hoje você voltou pra casa sozinho.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Carta para Benício

Caro Benício,

não foi preciso ler mais do que um texto seu para saber que você foi magoado no passado.
Suas duras palavras escondem uma mágoa interna que, pelo visto, ainda não foi curada, e você continua a escondendo usando meios tolos de contrariação.
Não se pode afirmar que "as pessoas não se amam, mas sim a um contrato que nada reflete ao verdadeiro amor".
Balela!
Vejo aí todo seu rancor e ódio querendo sobrepor, influenciando a opinião alheia, por conta dessa sua rejeição.
Posso até estar sendo precipitada, mas oras, você também foi.
Acredito que isso possa acontecer com uma parcela de pessoas, mas não generalizada. Se sua intenção era tratar desse caso específico, não fale como um todo! Jamais se pode generalizar nada, meu caro.
Existe sim, as pessoas que seguem as leis de relacionamento pré estabelecidas pela sociedade em que vivemos, em busca de somente status. Mas não são todos.
E não falo em nome da população que vive um lindo amor e que se sentiu ofendida pela sua colocação. Não, muito pelo contrário.
E se o seu caso não for de mágoa, só digo: não é porque você não ama ninguém que todo mundo não ame também.
Saia um pouco desse seu arquétipo de jovem revoltado pseudo intelectual que tenta usar palavras difíceis para ser mais um rebelde sem causa.

Com muito amor,
T.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Grr Heart

Vamos lá, amor, me veja aqui no canto da rua te mandando todos os sinais pra você se aproximar, vamos lá, amor, eu sei que nós temos o mesmo coração cinza da poluição que outros causaram e eu sei que hoje a gente nem liga pra isso.
Vamos lá, amor, hoje é dia de reprimir nossas mágoas para aquele canto obscuro do nosso poluído coração e de abraçar a oportunidade de deixá-lo pelo menos um pouco menos cinza (mesmo que seja temporariamente). Vamos, amor, que hoje a noite pode ser nossa se a gente deixar, ela é curtinha, então vamos aproveitar.
Eu largo meu cigarro e você larga teu álcool, por um segundo a gente deixa de ser tão autodestrutivo sozinho e passa a fazer isso juntos, você quer? Quer fingir que entre nós não haverá nada além de mais opacidade, então vamos logo que eu estou de braços abertos a te esperar, como "fogo e pólvora que num beijo se consomem"; como bombas-relógio prontas pra explodir, eu mal posso esperar pra gente se misturar ao ar e renascer no dia seguinte, vem?
Vamos lá, amor, vai ser lindo, assim como a noite que nos envolve nessa linda noite de dezembro.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Inevitable

Eu estava realmente tentando banir esse pensamento sem sentido da minha cabeça.
Mas chegou a hora de pôr pra fora, assim quem sabe, como a maioria das vezes, quando o pensamento se projetar pra fora da minha cabeça ele realmente comece a não fazer sentido algum e eu pare de perder tempo da minha vida confabulando sobre tal.
Então lá vai...
Eu meio que não suporto mais gostar de você.
E esse tipo esquisito de raiva está tomando conta do sentimento bonito que eu achava que tinha.
É completamente exaustiva a rotina pela qual nós fomos submetidos, e eu não me acho mais no direito nem na vontade de conversar, sentir ciúmes e te esperar no meio do dia ou no meio da multidão.
Não sei se isso significa o fim próximo.

Mas agora que eu escrevi e começou a fazer algum sentido... Eu sei que significa alguma coisa.