terça-feira, 31 de maio de 2011

Foda-se

Você não faz mais questão de olhar na minha cara ou dirigir a palavra a mim e eu nos vejo ficando cada vez mais distante e se antes havia uma ponte fina entre nossos abismos, ela acabou de romper-se.
Cansei de correr atrás de você e te dar mais valor do que você merece, quando na verdade você nunca me mereceu, nunca chegou aos meus pés e te falta um pouco de auto análise, só pra você ver como toda a religião que você prega é a única que você deixa de praticar. Tô exausta de escutar sua voz e suas conversas breves e de fingir me interessar, porque você nunca se interessou.
Desculpa o palavreado, mas eu vou tocar o foda-se, porque quando você se junta com seus coleguinhas venenosos, que fazem sua cabeça contra mim, não dá nem uma pessoa decente completa, então vá ficar com eles porque gente pra te arrastar para o buraco tem um monte e eu não vou ficar tentando te resgatar se você não se ajuda.
Quero olhar bem nos seus olhos e dizer que está tudo acabado, chega de textos indiretos, de fotos esquecidas, você não merece mais nem um pedaço do meu futuro se você está tão obstinado a arruiná-lo.

Novo Carma

Descobri hoje que você é meu carma.
Eu sempre pensei que meu carma fosse outra pessoa, agora fantasma que cisma em me seguir a cada esquina que eu viro, mas se eu acho que eu penei na mão de um, imagina nas suas mãos.
Porque eu acho que contigo eu poderia, aos poucos, deixar minha guarda baixar, dar mesmo a cara a tapa e saber exatamente o que vai acontecer depois.
Você vai me magoar, eu sei, eu sei disso desde o dia que eu te conheci, que você é um encrenqueiro que gosta de festas, putas e poesias e você vai me ver e vai me atrair até você com seu olhar cansado e eu vou me sentar do seu lado enquanto você me seduz com cantadas baratas. Você sabe muito bem o que está fazendo e eu sei muito bem onde isso vai dar, mas eu não me importo, eu vou implorar durante alguns dias e você vai ficar e você vai me matando aos poucos até que não reste mais nada de mim.
Você esfarela meu coração no tapete da sala e eu olho pra destruição que eu mesma trouxe pra mim, nessa hora fatídica onde eu pensei que tudo seria diferente e foi exatamente como eu imaginei que seria, você sai com seu orgulho intacto e eu fico deitada no tapete, estraçalhada por dentro junto do meu coração.
Até que um dia você volta e eu cometo os mesmo erros novamente, novamente, novamente, até a parte boa do carma chegar, finalmente e você ficar... Ou eu sair.
Eu sei que eu vou errar de novo, que eu vou escorregar e te aceitar de volta e eu posso ser considerada burra por conta disso, mas fazer o quê?
Carma não se escolhe, se recebe.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Aleph

Eu sei que é tarde demais pra que nós dois sejamos amigos, mas algumas vezes tudo o que eu desejo é te deixar pra trás com todas essas lembranças caóticas de confidências e ódio, de amor e lá vem o ódio de novo. Tenho que te deixar pra trás, mas não o suficiente pra te esquecer, porque se eu perder tudo de você que habita em mim eu vou acabar esquecendo todo o resto, de onde vim e pra onde eu vou por sua causa. Tudo a seu respeito causou interferências em mim. A imagem, os sons, nada é igual, porque você me ensinou a gostar dessas coisas panacas que parecia que eu sempre gostei, só que você soube ler minha personalidade e me mostrou tudo isso, tudo o que agora faz parte do meu mundo. Eu sinto como se eu tivesse te perdendo aos pouquinhos, querido. Eu tenho medo do que possa ocupar minha cabeça caso você não esteja nela com suas abençoadas covinhas, com seu jeito espontâneo e descarado de levar todo mundo a acreditar nas coisas que você inventava. Você é uma fábula ambulante, um personagem de folclore, não tem como te odiar por mais que você seja um monstro. Você é encantador e eu detesto admitir que eu sinto sua falta. Tenho certeza que se eu fosse importante pra você como você era pra mim, eventualmente você voltaria... E brincaríamos novamente de queimada, escreveríamos um livro juntos ou cantaríamos alguma música indie ao som do violão. Você é meu carma e eu só sei que eu te amei demais pra esquecer o que nós vivemos, mesmo que ao seu lado os momentos oscilassem entre o sonho e o pesadelo, só eu sei o que exatamente foi agregado ou perdido... Ainda assim, será pedir muito...Pra você não me esquecer também?

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Agosto Amargo

Eu poderia me reinventar te contando como passei meus últimos dias, mas penso que as informações seriam meio incompletas, só sei do gosto de vodka e preguiça que não levantam comigo, misturados com o perfume agressivo de algum outro rapaz, que na hora seguinte me fez dormir desejando acordar nunca mais. Os papos chatos, os sabores de beijos secos que não se sobrepõem ao seu na minha língua, as músicas altas demais que ouço com a manifesta intenção de estourar um tímpano, e explodir dentro de mim tudo que você ainda representa.
Olha pra mim. Ando finalmente me divertindo, sendo feliz pela noite, e transcorrendo os dias como se o futuro bonito fosse o que realmente parece ser - apenas um elogio falso pra gente sentir que sonhar é tão bacana quanto viver. Embora eu ainda acorde quente e molhada de pesadelos que tenho contigo, sempre de olhos abertos e inchados, claro. Dele, eu interpreto que o amor não passa de um cachorro louco, dando voltas, correndo atrás do rabo, babando doente de raiva. Você é meu eterno agosto, rapaz. Louco e amargo.
Seu sarcasmo sempre foi o diabo da nossa comunicação, então eu ordeno: tira esse riso sórdido do rosto, não vá pensando que essas palavras jorram da minha boca como placebo pro meu desconforto. A dor é meramente ilustrativa, e psicológica também. Ninguém jamais me fez sofrer, nunca me obrigariam a isso, sempre que sofri por alguém foi porque quis, não por julgar que valessem a lágrima, cada uma delas. Se corri tanto atrás de você foi pela ideia fixa de fazer justiça com as próprias pernas.
Mas agora tá tudo bem. Aprendi que quanto mais superficialmente você costura uma relação, menos chance há de se afogar. Navegar é preciso, o negócio é não faltar nas aulas sobre como boiar em águas nem doces nem salgadas. Hoje posso dizer convicta que prefiro o clarão das aparências que a penumbra de mergulhar fundo, sem saber como respirar abaixo do chão. Agora, como boa marinheira de incontáveis viagens, finalmente sei como desatar nós.
Eu sei, tudo isso soa meio triste e solitário, mas durante todo esse tempo que você ficou ao meu lado me ensinando como ser sozinha, tudo indica que fiquei boa nisso. Essa não é minha vida mesmo, essa alegria é emprestada, esse sorriso é postiço. No meu rosto decorado com pó diluível, a maquiagem é à prova de decepção - especial pra quem vaga pela noite sem o retornável desejo de quebrar a cara. E desse corpo que ofereci pra ser só seu, também não sou mais dona, agora é quase de quem quiser, agora é de ninguém.
Cara, eu só queria te ver mostrando que precisa de mim, vez que outra. Que me amasse com ênfase nas vezes que não mereci ser amada. Que fizesse alguma coisa ao ver outro alguém fazendo isso tudo que você não faz, por mim.
Porque, entre me sentir inútil só pra você e me sentir inútil pro resto do mundo, optei pela diversidade.

Ok, não vou mentir, tenho sentimentos de estimação por você. Mas estou deixando de alimentá-los. Um dia eles morrem.

Todas as coisas que você nunca vai saber.

Eu não tenho coragem pra te dizer todas as diferentes reações que você me causa.Te ver ali tão perto me deixou em pânico. E é uma pena que nossos caminhos corram sempre opostos, é uma pena que você jamais vai saber que eu me acostumei tanto a te amar distante que te ver ali tão perto, e ainda inalcançável, me matou um pouquinho.

Chaostrofobic

Leio olhares enquanto caminho no meio da rua e fico imaginando falas para as pessoas. Acredito que só na natureza existe amor-perfeito. O confuso, o instável me interessa mais do que o definido e constante. Pra mim o desejo tem que habitar os olhos. É o começo: os olhos, o silêncio, o transe e a disritmia. Sempre achei lindo beijar na testa alguém que se ama, mostra bem-querer e respeito, não desmerecendo os beijos com lábios, dentes e línguas. Não sei por que mas sempre que chove eu me sinto melhor. Mesmo sabendo que algo não vai dar certo, no fundo eu acho que vai dar. Mania besta eu só tenho essa. Sofro por antecipação, me encanto com facilidade, amo demais, falo demais, sorrio demais, choro toda vez que dá vontade. Isso faz da minha vida um caos...
 
Mas onde há caos, não há tédio.

domingo, 15 de maio de 2011

Dog Days Are Over

Oh, honey, I never thought it could really happen, and I believe I'll not sleep today, thanks to you.
When you told me everything I wanted to hear it was the best time since the day we met, and I'm serious. I know I've cried over you so many times and fortunately you know it too, so when you got quiet when I told you I loved you I started to just go through life without any real kind of feeling other than the pain of not losing my love, but my best friend also.
Damn it. Feelings tend to screw everything up, you were the first one to tell me that, so the impulse to run when I realized I had real feelings for you got stronger and stronger, but now it seems so silly, because I never gave you the chance to answer me, 'til the time you stopped me on the street and said you felt the same way.
So tears of joy threatened to appear and instead you just kissed me.
And I knew that my dog days were done.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

You're not like all the rest

No. Not again. Leave me alone.




But…




You've already left.


segunda-feira, 9 de maio de 2011

Vapor Barato

A fumaça invadia as suas narinas, mas ela não parou de ler seu livro. Depois de uns minutos, seu nariz ardia a nicotina.
"Eu sabia que você voltaria", ela pensou, presunçosa e quando finalmente levantou a cabeça não conseguiu enxergar nada além da fumaça que lentamente desaparecia em formatos abstratos no ar. Ela olhou para os lados e só havia uma menina sentada na outra ponta do banco, quando esta percebeu que estava sendo observada, resolveu perguntar entre tosses:
- Desagradável esse lance de fumarem perto dos outros não é mesmo?
Ela só acenou com a cabeça, se fosse há alguns anos atrás, ela faria o discurso mais apaixonado do mundo sobe os males do cigarro, mas atualmente o cheiro trazia mais lembranças do que revolta.
E de repente, ela percebeu que demorou décadas pra ela descobrir quem realmente era e apenas alguns dias pra desejar o que mais odiava, porque hoje em dia ela era louca para ser acometida por aquele cheiro tóxico de cigarro novamente, só pra lembrar da toxicidade do relacionamento que ela tinha com ele.
A garota que estava ao seu lado, parou de tossis e disse bem amigavelmente:
- Qual seu nome?
- Alice, e o seu?
- Bruna. - ela chegou mais perto - Eu vi que você  nem ligou pro cheiro né?
- Me traz algumas lembranças, já me incomodei mais.
- Essa é a droga, né? Literalmente.
Alice só riu, queria rir para não chorar, para não procurar incessantemente o fumante que tão cuidadosamente havia posto aquele turbilhão de lembranças em sua mente, queria que fosse ele, que ele estivesse tentanto machucá-la só pra continuar tendo algum vínculo, nem que fosse mais tóxico que o cigarro que ele consumia tanto.
- Alice?
- Sim?
- O menino que tava fumando passou bem na sua frente, você não percebeu?
Alice arregalou os olhos.
- Não, como ele era? - ela sentia seu sangue borbulhar e borboletas fazendo algum motim dentro de seu estômago.
- Bonito, não deu pra ver bem por causa do fumaceiro, ele tava com uns três ou quatro outros meninos que também estavam fumando. - Bruna sacudiu a cabeça e disse - Mas ele queria ser notado por você, acho, senão não teria pedido pra eu te dar isso quando você saísse do seu transe.
Transe, ela de repente se lembrou que ele dizia que ela entrava em transe quando lia algo interessante, queria gritar, chorar e rir ao mesmo tempo. Bruna lhe entregou um pedaço de papel que dizia:
" Talvez eu volte, um dia eu volto, mas eu quero esquecê-la, eu preciso, ó, minha grande obsessão"
- Eu particularmente teria escrito algo sozinha. - disse Bruna, talvez já se achando íntima.
- Às vezes uma música consegue expressar melhor do que a gente consegue dizer ou escrever. - os olhos de Alice estavam marejados. - E vai ver é melhor assim, não é? Pra gente não dar mais importância ao que a gente quer esquecer e sabe que é importante.
- É... - Bruna passou a mão pelas costas de Alice - Talvez esquecer seja menos doloroso do que remoer.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

A Lack of Color

Sabe que eu às vezes penso que foi destino isso que aconteceu entre a gente. Eu estava completamente desmotivada e não queria mais saber de amor; isso pra mim sempre foi coisa para tolos que estavam entediados, mas aí você apareceu e eu me vi entrando na categoria de tola apaixonada.
E isso para mim era extremamente vergonhoso, eu não queria admitir pra mim mesma que eu estava apaixonada porque isso seria admitir que eu estava vulnerável aos seus joguinhos de sedução, era bergonhosos que eu sentisse a única coisa que eu rejeitava como minha.
Então, como se não me pertencesse, eu ataquei aquele sentimentos com toda força que eu tinha só pra não ter de encarar a realidade e quando o cessar-fogo veio, você disse que estava passando pelo mesmo, que gostar de mim era uma luta constante e diária.
E aí nos amamos loucamente até o dia acabar. Nos saciamos um do outro e você disse que tinha de ir embora, que eu sabia que ele tinha que ir embora e a hora do adeus chegou.
Fiquei pensando em flashes de como eu lutei contra o que eu mais queria e agora eu tinha que me despedir disso e nada que eu podia pensar poderia me fazer sentir menos sozinha, então eu disse que eu te amava, pra ver se poderia dividir essa dor contigo e você só cruzou a porta da frente.
Eu fiquei deitada em minha cama, imaginando você indo embora de vez, embora da minha vida, ah, querido, eu te dei um motivo pra ficar.
Mas talvez você não me queria o suficiente.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Amelié e Nino.

                                      


Você, a coisa mais doce e perfeita sobre a qual eu já repousei meus olhos, você me viu antes que eu percebesse e seu mistério fez tudo isso mais excitante, charmoso e encantador. Você é amável, com seu jeitinho tão único de ver a vida e de tentar arrumar a vida de todo mundo ao seu redor sem que ninguém perceba. Não sei como alguém tão incrível pôde passar tanto tempo da vida se sentindo tão só. Mas eu vim pra isso, no fundo nós somos iguais em nossa ternura e em nossa solidão. Isso faz de nós dois o casal perfeito.Corações que sempre se pertenceram. Você é um encanto, alguém inevitavelmente apaixonante. Símbolo adequado pro meu desejo, para minha admiração e meu carinho. A vida não parecia completa até aquele beijo e todas as descobertas que o antecederam. Nada na minha vida é mais confortante do que seu abraço, seu corpo no meu e seu sorriso.
E se eu sei acreditar no lado bom da vida depois de tudo que eu vivi é porque agora todos os dias eu tenho você ali integralmente pra mim.

domingo, 1 de maio de 2011

Esqueça-te de Mim

Hoje eu falei contigo e não senti absolutamente nada; nem a pena que eu sentia no começo quando seu flerte era fajuto e completamente ineficiente, muito menos as borboletas no meu estômago quando eu finalmente percebi que eu estava apaixonada por você.
Nada, absolutamente nada.
E enquanto muitos pagariam pra sentir nada com relação ao passado, eu me pego perguntando o que será de mim agora, pra quem eu olharei furtivamente nos corredores lotados se agora eles parecem um pouco mais calmos porque você não está mais neles; quando você não está mais em cada rosto que eu vejo e muito menos nas minhas entranhas que viviam de você.
Eu falei com você e sua atitude não passou de algo indiferente, você disse que estava bem mesmo não estando para não ter que prolongar a conversa, afinal de contas, já conversamos demais no caminho longo que a gente percorreu e palavras se tornam subestimadas quando a gente se entende tão bem pela nossa linguagem corporal. Perguntei se havia algo novo ou alguém novo na sua vida e você só balançou a cabeça.
Eu te beijei e você retribuiu, mas não havia desejo naquele beijo, apenas rotina, então você me puxou pra perto e perguntou se eu tinha algo novo pra contar e eu me restringi à um murmúrio, algo não compreensível, aí você passou a mão pelo meu cabelo gentilmente e me olhou nos olhos.
Sabe o que eu vi refletido nos seus olhos?
Nada.
Nenhum brilho, nenhuma paisagem, nem me vi refletida nos seus olhos, apenas algo turvo, como se você não estivesse lá e pela primeira vez olhar pra isso não me doeu, na verdade, não me causou nada. Então, pra compensar, eu te dei um beijo cheio de desejo, de vontade de você, porque o que a gente sentiu nunca passou disso e te olhei, suplicando pra você esquecer de mim como eu esquecia de você.
Sabe o que eu vi refletido nos seus olhos?
Nada.
Nem dor, nem pesar, nem alívio.
Então eu me virei de costas e fui embora... E essa foi a última vez que eu te vi.