sexta-feira, 16 de maio de 2014

The boy who tied the knots.

 

Pra esquecer você, eu daria a minha esperança, a minha bondade, a minha inocência. Eu daria o que me resta de puro e casto pra não ter que chorar só de te ver chorando de alegria em um passado distante em todos os sentidos. Olfato, visão, paladar, audição e tato, com tato é melhor, mas você sempre foi pra mim algo étereo e intocável. Queria não comparar você com todos os outros homens que eu conheço, mas como se eu nem te conheço agora? Só posso comparar com o que você foi e você só não foi mais per-feito pra mim porque nunca se permitiu ser meu. Já contava com o fato de que você sempre vai e vem na minha vida feito um carma "maledeto". Aí você parou de voltar. E agora, quando eu me deparo sozinha, lá no fundo ressoa uma verdade pungente e insólita: eu te amaria se você não fosse como um nó na minha alma que Deus só me faz desatar em prantos.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário