quinta-feira, 30 de outubro de 2008

\^^^o^^^/ -> Isso era pra ser uma coroa.

Ele chegou de mansinho e veio na minha direção.
Me perguntou se podia me pagar um drink e eu não soube dizer não.
Pedi um bem doce e ele riu da minha meninice.
Disse que eu tinha os olhos mais doces que ele já tinha visto e eu pensei: que tolice.
Eu ri e fingi acreditar.
Ele me tirou pra dançar.
Então agora éramos corpos sincronizados.
Cada vez mais próximos, cada vez mais animados.
No meio daquela muvuca ele perguntou meu nome e eu menti.
Disse que eu tinha covinhas adoráveis e me fez rir.
Então ele segurou a minha mão e me olhou e isso foi tudo que ele precisou fazer.
E eu me vi tirada da multidão e em um outro andar e ele disse: finalmente, só eu e você.
Deserto. 
Pareceu certo.
E então ele me abraçou e me colocou encostada na parede.
E me deu beijos que pareciam não saciar minha sede.
Tarde demais pra voltar atrás
Cedo, muito cedo, pra desejar muito mais...
Então aquele piercing no lábio dele me deixava louca
E eu desejei morrer beijando aquela boca
E ele me tocava de uma maneira que parecia saber do que eu gostava
Eu não podia me envolver com ele, eu fiquei com raiva
Do rosto de homem com os olhos dele de menino pidão.
Da minha necessidade de querer dominar seu coração.
Aí eu o mordi com força, sem querer.
Ele se afastou e me olhou sem entender.
Eu cruzei meus braços, fiquei emburrada e levantei uma alça da blusa caída no ombro.
Ele disse num sorriso que nele eu causava assombro.
Então um vento gelado passou
Ele tocou com delicadeza meu rosto e meu corpo todo se arrepiou
[não sei ao certo se pelo vento ou pelo toque]
Segurou a minha mão de novo e no chão ele se sentou
Disse com uma voz profunda e devastadora que eu não podia ser triste assim
Que eu era excessão nesse mundo tão ruim
Ele viu no meu rosto uma pureza coberta de uma espessa camada de gelo
E deitou, colocando a cabeça no meu colo enquanto eu mexia em seu cabelo.
Falou que eu devia ter mais esperança e que ele não ia me prometer que nunca ia me machucar.
 - Isso é otimismo exagerado. - ele disse - Eu sei que vou te desapontar.
E eu sei que parece ser loucura mais eu não quero nada diferente.
Eu vou te desapontar, mas nunca intencionalmente.
E a partir daquele momento eu sabia
Que estava sendo escrita uma história muito doce
E que eu o seguiria
Aonde quer que ele fosse
E assim os dias foram passando
E ele diz que eu sempre vou ser tudo o que ele quer
E se príncipe encantado não existe
Então eu não sei o que ele é.

T.T.

A última memória de nós dois
Está refletida através da minha janela
Naquela chuva que não cessa
Nas pessoas com pressa, com medo de se molhar
Elas me lembram você
Sempre temendo se machucar
Que irônico então que depois de sentir tanto amor por outra pessoa
Voce seja incapaz de me amar

Se lembra de quando éramos amigos?
Quando tanto era dito
Só com um olhar...

Oléo e água. Imiscíveis.
Nós nunca vamos nos misturar
E a realidade é fria
Quase tanto quanto a chuva que eu estou a olhar

Em que parte exatamente nós tivemos que crescer?
Em que parte exatamente nós tivemos que mudar?
Você pertence á um outro alguém
E isso não deveria me machucar

Se lembra que nós éramos amigos
E que você era a única coisa que me mantinha aqui?
Então eu não deveria estar tão triste
Quando por outra pessoa eu te vejo sorrir

E seu sorriso ilumina tudo
Até esse lugar escuro onde eu estou
E esse nosso jogo de esconde-esconde
Finalmente terminou.

Você não pode mais disfarçar
Então dessa vez você está só
Que máscara vai usar
Que me faça sentir pior?

Então venha e me machuque
Que eu vou fingir não me importar
Eu vou enfrentar isso
E eu sei que uma hora tudo vai passar

Então a chuva não me ajuda
Ela uma hora vai acabar, quando chegar a primavera.
E vai ser foda perceber que eu trocaria tudo
Por alguém que seja como você era.

Se lembra quando éramos amigos?
Quanto tempo isso faz?
E vai doer lembrar de você
E viver olhando pra trás...

Eu vou me afundar em dor
Até que eu aprenda a ser como você, rude.
Eu vou viver olhando pra trás
Esperando que algo mude.

E a verdade é que não vai mudar.
E eu quero transformar em cinza a sua aquarela.
Só por que a última memória de nós dois
Está refletida através da minha janela.

sábado, 25 de outubro de 2008

Goddamn, our song is playing on the radio

Bem, eu estou pensando nas piores coisas que eu poderia dizer pra você. Mas eu prometo, não significarão nada de qualquer jeito (e isso nunca estará certo comigo). E agora, você está tentando desesperadamente mas eu estou com a língua presa e apavorada com o que eu direi. E nós dois vamos pra baixo juntos, nós ficaríamos lá para sempre apenas tentando nos levantar. E eu sinto muito, isso não foi fácil, quando eu pedi pra você acreditar em mim e nunca partir.
Eu poderia apenas cantar pra você canções tristes e você poderia cantar junto, e você poderia ver a melodia que tem chamado seus erros. Agora, você está tentando desesperadamente mas eu estou com a língua presa e apavorada com o que eu direi... Mas eu nunca disse tudo a você. Eu estou pendendo a esperança e desbotando sonhos... E cada única memória ao longo do caminho...

Eu estou jogando fora fotos que eu nunca deveria ter tirado em primeiro lugar, e está frio no meu quarto enquanto eu estou mudando todas as cores dos mais brilhantes vermelhos para os cinzas.
Bem, são três horas duma manhã de domingo e eu estou esperando que você não veja o rosto dela. Eu estive telefonando para esses quartos de hotel (demais para saber que era ela que pegou meu lugar).
E eu espero que isso te faça feliz, agora a chama que nós tinhamos está se apagando, e eu espero que você goste das suas fotos queimando (enquanto corações partidos talvez tenham suas dúvidas...)
E eu estou queimando todas as cartas esperando que eu talvez esqueça dele e do seu péssimo gosto que ele deixou quando ele estava me deixando.
Você mudou você mesmo e eu me mudei, eu realmente não queria nos ver falando através disso, então você gritou da ponte e eu chorei um verso. Nosso refrão veio sem ensaio.
Se você sorriu todo o tempo através disso eu acho que isso talvez seja o pior.
Eu estou pegando todas as suas memórias da prateleira, e eu não preciso de você ou de mais ninguém, então olhe para mim e veja o que você queria ver.
Eu me importaria de morrer tanto quanto de estar com você.

Agora a droga da música que eu escutava com você está tocando, e não apenas ela mas tantas outras me lembram você e é só isso que está te amarrando aqui. ("we walk past a dead end street to the top of a hill so we can be alone")

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Didn't We Almost Have It All?

Talvez você fosse tudo o que eu precisava, talvez você seja exatamente do que eu preciso.

Só você não vê que dentre milhões de pessoas, eu te encontrei e você me encontrou, uma réplica exata de nós dois, como almas gêmeas, se você acreditar nisso.

Porque desde o primeiro dia que eu te vi, eu não pude tirar você da minha cabeça e pensava em você o tempo todo, toda hora, te queria do meu lado, te queria por inteiro, queria que, por um dia a gente pudesse sair de mãos dadas e dizer ao mundo que o que a gente sente é maior que todo o preconceito, que toda baboseira que vem tentando enfiar na nossa cabeça desde o início.

Porque a verdade verdadeira é que eu só procurava avidamente por você em outros corpos, outros lábios, outros olhos. Eu via você, eu via seus olhos olhando os meus de uma maneira que nunca havia acontecido… Mas sempre acordava do meu devaneio e tudo estava a mesma coisa, você ainda não me queria como eu te queria e eu fui paciente o suficiente para viver com o fardo de te amar sozinha…

E se um milhão de pessoas, de beleza estonteante viessem falar comigo, eu as compararia com você, mesmo sabendo que é um erro, que eu não devia viver só pra você. Mas o problema é que eu penso em você como a pessoa mais perfeita, e você pode não concordar, eu não me importo. Porque você nunca pôde se ver através dos meus olhos…

Afinal de contas, quando eu: uma pobre coitada que te ofereceu apenas versos bonitos de uma música que não sai da sua cabeça, quando eu iria ser notada por você?

Quando você ia me ver… Por trás de todo riso, por trás dos conselhos, dos discursos inspiradores? Quando você ia ver que eu costumava ter um coração? Que eu não tenho mais um porque você o pegou em suas mãos e fez questão de esmagá-lo em pedacinhos? Mesmo sendo algo… Que nós dois sabemos que você fez porque não consegue admitir que sente o mesmo…

Não consegue olhar pra mim sem sorrir.

Não consegue disfarçar a felicidade ao me ver.

Não consegue disfarçar que me ama e que gosta de viver em negação, porque para você, é uma posição conveniente.

Conveniente porque eu que fico aqui, como uma tonta, uma idiota que te espera…

Só você não vê que dentre milhões de pessoas, eu te encontrei e você me encontrou, uma réplica exata de nós dois, como almas gêmeas…

Mas apenas se você acreditar nisso também.

sábado, 18 de outubro de 2008

I'll be ok (is that what you want me to say?)

Your life lives half a nation away, my heart hurts so. I believe letting you go was the biggest mistake of my life. What did i do? Alone and confused.

I’m heading the wrong way home. Knowing alone is alone. It’s just too difficult to be just 'me' instead of 'we'. What can i say? Nothing.

I don’t know where to begin since you left me for her. I don’t want to start again, and i can’t be your friend. (What can i say?)

All your hopes and dreams, i'll take away. It's time that i forget everything you've taught me when i looked up to you. So how can you expect me to just close my eyes and forget your mistakes? Defending you is getting hard everyday.

Well i hate to be a cliché. Hate it even more to let you get your way, and i don't know what to do. Caught between hating and loving you.

I know that life is never easy. Feelings are made to be convenient but, it seems that you arrived at just the wrong place and the wrong time. And I hate that you're always on my mind.

I don't know where to begin and you left me for her. (What did i do?)

(P.S: ler anexo nos comentários!! :] )

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Mr. Blue

"Sr. blue
Eu disse que te amo
Por favor, acredite em mim

Sr. blue
Eu tenho que ir agora, querido
Não fique bravo
Eu sei que você está cansado
Sei que você está magoado e cansado e triste por algum motivo
Então eu te deixo com um sorriso
Te beijo na bochecha
E você chamará isso de traição

É assim que acontece em alguns dias
Uma febre te pega sem aviso
E eu posso ver no seu rosto
Você está esperando para desabar desde que acordou essa manhã

Sr. blue
Não fique tão cabisbaixo
De forma que você não veja o céu
Sr. blue
Não faz tempo desde que você voava alto

Sr. blue
Eu disse que te amo
Por favor, acredite em mim"

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Proud

"Sou demasiado orgulhoso para acreditar que um homem me ame: seria supor que ele sabe quem sou eu. Também não acredito que possa amar alguém: pressuporia que eu achasse um homem da minha condição."
Nietzsche

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Deny. Deny. Deny.

He looked at me like I was mean.
And I was just trying to move on
And he confused my head
With his bad addiction
with this friendly perfection.
Then I heard his voice
Then I heard the song
And I was quite surprise
When I found out
That in my heart he belongs.

Well, well, what can I say?
I keep trying to push him away
You know I couldn't stand if we were apart
If I'll be the one with a broken heart. 

I couldn't barely look at her
Her mean eyes, my mind was such a blur
She couldn't see me the way I needed her to see
I was just the friend, that's all she wanted me to be.
So I keep trying to take my mind off of you
I know you never could love me too.

Well, well, what can I say?
I keep trying to push her away
You know I couldn't stand if we were apart
If I'll be the one with a broken heart

And I can't put
Our friendship in risk
No I'll never admit.
I couldn't ruin things all over again
I couldn't stand this pain
And if someone asks me if I like you I'll lie.
Deny. Deny. Deny.

sábado, 11 de outubro de 2008

The fuckin' end of my cold feeling

Quem é vc, q eu nem reconheço mais?
Vc não é mais aquele garoto, e eu pareço nem mais me importar com o que vc se tornou. Quem vc é agora já não me faz mais diferença.
Meus faróis estão brilhando por uma velha estrada de terra. Fumo os meus cigarros, eu deveria parar, eu sei.
O rádio está tocando velhas músicas sertanejas, alguém está indo embora, alguém está traindo. Tanto e tanto.
Eu acho que posso gostar das noites calmas, dessa vida vazia.
Porque algum dia talvez alguém irá me amar como eu preciso e algum dia eu não precisarei provar porque alguém certamente verá todo o meu valor, mas até lá eu me viro bem sozinha com os meus cigarros e essa velha estrada de terra.
Veja, eu deixei outro homem bom esta noite.
Eu fico pensando se ele sente minha falta... Deus sabe que eu tentei.
Os amantes destinados não puderam sobreviver, eu imagino se você sentiu minha falta. Eu sei que eu tentei.
Mas eu acho que talvez o que eu fiz de errado foi aguentar todas essas besteiras por tempo demais.
Eu não vou dormir, eu não quero sonhar com as coisas que eu costumava ser. Eu não vou chorar, não quero viver uma mentira.
Três meses já se foram, três meses e eu continuo sóbria. Continuo respirando, e eu estou muito melhor.
Eu estou muito melhor sem vc, pq isso já não me faz falta. Pq eu não sinto mais nada por quem vc se tornou. Não adianta sofrer e não ganhar nada em troca por tudo q eu senti, pq eu sei que nada vai repor isso.
Cortei todas as minhas ervas daninhas para manter as flores.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Arlequim

[Leia esse post ouvindo: Bright Eyes - Sunrise, Sunset.] 

Aonde você foi que eu não te vejo?
Que eu não te encontro nas esquinas por onde ando.
E existem tantas coisas acontecendo ao meu redor
Que eu não sei se eu me perdi
Ou se eu nunca me achei de verdade.
E então eu fecho os olhos ali mesmo.
Parando no meio da rua, no meio da faixa de pedestre
Lembrando da perfeição dos seus olhos castanhos
Dos seus olhos traiçoeiros
Do desejo
E eu deveria ouvir a buzina dos carros
Mas a sua voz está muito alta ecoando na minha cabeça
E é meu coração sangrando na contramão
Da direção de onde o seu deveria estar
É o mesmo erro se repetindo, não é?
Como se eu tivesse me predendo a um círculo
De uma obsessão que eu inventei
E é meu corpo incendiando, não é?
Melhor abrir os olhos
E seguir em frente...
Então todas as bebidas e a necessidade de buscar afeto em outros corpos
São uma tentativa de suprir o buraco que você deixou em mim
Malditas expectativas que eu nutri
Quem mandou ter um coração amaldiçoado?
E eu não posso acreditar que esse vinho
É mais doce do que você, Arlequim.
E me faz menos mal.
E nesse ritmo frenético
Eu vejo que eu não sou muito diferente de você
Vivendo de palhaçadas.
De besteiras previstas.
De mentiras contadas com a mais rude veracidade.
E eu não consigo dormir, Arlequim.
Eu estou aqui, em frente a sua casa
Mas você não me deixaria entrar.
Não se preocupe. Eu guardei minha chave.
Eu entrarei de qualquer jeito.
Você precisa saber, Arlequim.
Você tem que saber que você me fez perder a cabeça!
Você me fez perder o sono
E agora eu não sei dormir
Na minha cama
Virando de um lado pro outro
Arquitetando planos repletos de desespero
Eu não sei viver sem você, Arlequim.
É por isso que eu estou indo aí.
É por isso que eu estou aqui.
Eu não sei dormir longe de você, entende?
E se eu não estivesse aqui, eu não poderia adormecer, finalmente.
Por que eu cansei de ver tudo se dissolver em frente á mim.
E eu sei que se eu te pedisse
Você diria não.
Não, eu não posso dormir.
Não, eu não posso dormir na sua cama.
Existe tempo pra dormir quando se está morto
E então que irônico que isso é
Sua cama virou meu túmulo.
É aqui que você vai achar meu corpo
É aqui que você vai achar minha alma
E perceber que eu te amei, Arlequim.
Que seu amor me dava vida.
O cenário perfeito, a arma engatilhada, o tiro.
E se isso sair no jornal,
Avise que o amor mata, Arlequim,
E que eu te amei.

sábado, 4 de outubro de 2008

Cigarettes, smoke and a letter

Aqui está uma carta que estou escrevendo pra você de todas as coisas que eu nunca pude dizer (e é a verdade) é a carta que você está queimando de mim de todas as coisas que você nunca quis escutar eu não sei o que estou tentando dizer, estêncil no seu coração para outras mãos e você diz isso melhor... meu coração, suas mãos.
Feche seus olhos e pense em mim. Eu estou pegando tudo de volta, eu não consigo esquecer seu rosto, eu não consigo esquecer o que você disse, eu não consigo apagar as memórias, é como correr de um fantasma.

Eu estou matando a única pessoa que eu pensei que conheci na vida.
A única pessoa culpada por isso é você.
Eu tenho coisas a dizer que eu sei que você quer ouvir.
Eu consigo ver seus pensamentos completamente claros.
Eu não irei tão longe, escolhi ficar aqui. Lembrar de onde estamos.
Eu pensei que havia visto seus olhos, dentre fumaça e cigarro
mas eu estou vendo fantasmas esta noite
Ele me persegue. Até o meu amargo fim.
Eu juro que ouvi sua voz, estupefata por conversação mas eu só estou ouvindo fantasmas
Hoje a noite, os bares se fecham às claras
e eu bebo o dia inteiro como se isso estivesse em decadência

Demais para viver pra sempre, demais para a morte nos separar.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Não Quero, Não Posso... Mas Devo Contar?

Se eu pudesse dizer tudo.
Diria pra você que estou com raiva, do seu descaso, da sua falta de consideração.
Não estou dizendo que eu não entendo, mas sim, que uma porção de mim não quer esperar.
Esperar por você.
Porque eu não sei se você sabe, mas esperar me mata, me cansa me deixa irada.
Porque eu não sei se você sabe, mas eu preciso de você agora, que você seja meu, nem que seja por um segundo, em parte, mas de preferência por inteiro e por que você não se entrega a mim?
Por que você vive nessa cisma de que eu estarei aqui pra sempre?
Talvez eu tenha te dado a idéia errada, amor. Talvez você pense que eu estou aqui me guardando, te querendo, te desejando...
Parte de mim o faz de verdade, e se odeia por fazer isso, mas a outra parte segue em frente e tenta não olhar pra trás.
Olhar pra bagunça que você deixou e que eu não faço questão de limpar. Porque talvez eu goste... Talvez, uma parte de mim acha que você volta pra re-bagunçar minha vida, pra mexer com minha cabeça e me deixar tonta.
Daqueles dias na praça, onde cada momento de silêncio nos fazia rir constrangidos, porque a gente se fala só num olhar... Só num simples: eu te amo - diário.

Se eu pudesse te contar, que ninguém nunca fez comigo o que você está fazendo...
Isso é bom...
Seria bom se fosse justo.
Seria bom se eu soubesse que você sente o mesmo.
Isso é ruim
Porque você se acha o máximo
Porque eu preciso de você agora.
Isso é ruim.
Seria ruim, se eu não achasse fantástica a maneira como você olha pra mim.
Com olhos de criança, esperando minha reação para cada atitude sua.
Rindo bobamente das suas piadas internas comigo.
Patética a maneira como eu me entreguei
E você não o faz em retorno.

Patética a maneira como eu te amo...
E você...
Não faz nada em retorno.