segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A Girl

Ah, garota, você diz que eu te machuco até o fim e nunca fez questão de ir embora por mais que eu tente.
Você desperta uma parte de mim que eu nem sabia que existia, uma parte que me deixa pior, que me faz querer fazer coisas terríveis só pra provar que eu posso. É... Você me dá poder, garota e eu sei o que eu posso fazer com ele, eu viro dono de mim, dono do mundo, dono de ti e de tudo.
Você me deixa forte e quando está tudo certo, tu se afasta só pra me deixar fraco e eu tenho vontade de te magoar, de partir seu coração em mil pedaços porque pelo menos você iria de vez e eu não seria mais dono de nada, não teria mais responsabilidades que não me dizem respeito.
Você entende o que eu digo? Eu sinto uma vontade quase incurável de partir seu coração de menina para que você desabroche finalmente como uma mulher e pare de me dar poderes que eu uso apenas para destruir um pouco do que nós somos.
Eu gosto de ver os nossos pedaços no chão.
Ah, garota, você quer que eu te parta em duas e fique com uma metade de ti? Metade do poder? Eu fico com toda você e todas as besteiras se for preciso, mas só se você estiver disposta a se partir em mil pedaços comigo, quando a nossa auto-destruição beira nossa auto-realização.
Ah, garota...

domingo, 25 de setembro de 2011

Um Minuto Para o Fim do Mundo...

De todas as coisas bonitas com as quais eu sonhei, nada superou ontem. Eu estava num daqueles dias terríveis, onde você se olha no espelho pensando que nunca viu nada pior. Estava cansada de me cercar e da vida que eu levava, e de não ter nada meu e de não sentir o menor desejo de estudar quando o que eu quero alcançar depende unica e exclusivamente do meu estudo. A paciência já tinha se esvaído, mas de alguma forma o fato de você me abraçar e me beijar me tirou do meu buraco-negro. De alguma forma, mesmo sabendo que era errado comer um sanduíche, quando eu me sentia tão fora de forma e já tinha jantado, teve um sabor diferente... Por que você sempre me acalma o espírito por mais desequilibrada que eu esteja. E aí depois da calmaria, o boom de novo.
Eu explodindo lentamente por um comentário seu. Foi aquele misto de baixa estima com medo de perder você... Silêncio até chegar ali. Não sei o que te faz segurar minha mão quando eu fico insuportável desse jeito. Você lá, tentando resolver o enigma, o mistério que circundava o meu olhar perdido e inundado... "Deita aqui na minha perna, vai... Encosta a cabeça no meu peito". Aquela suavidade que só você domina. Eu me descabelando, tentando falar mas as palavras não saíam. Depois do meu choro estar devidamente fundamentado você se ajoelhou na minha frente e olhando nos meus olhos disse que eu era a mulher mais linda, que quando se sente um amor tão grande como o que você sente por mim nada mudaria isso."Nada vai mudar nós dois". Que eu era a mulher que você amava, e que não entendia o porque de eu estar tão insegura quando tudo o que você faz é pra me enaltecer, pra me mostrar o quão maravilhosa eu sou aos seus olhos. Aí eu assumi que tinha um medo danado de te perder e você disse que isso não aconteceria. Deitou-se no chão e eu fiz o mesmo e fiquei deitada com a cabeça no seu peito contendo o choro. Aí eu te beijei e lembrei que não existe tempo ruim perto de você... Que algo de bom eu devo ter porque você me devora com os olhos, invade minha alma, derrubando as portas com os pés, sem pedir licença, sem dar espaço pra hesitação ou temor, só desce o pé, quebra a porta e vem ao meu resgate... Sempre pra me salvar do meu pior monstro:
Eu mesma.

"Quando estou com você [...]
Perco o chão sob os meus pés
Me falta o ar pra respirar
E só de pensar em te perder por um segundo
Eu sei que isso é o fim do mundo..."

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

(des)embarque


Te deixei no aeroporto há pelo menos uns 15 minutos.
Fiquei esperando você desaparecer no saguão, depois de um tchauzinho meu frenético. Fiquei lá imóvel por mais uns 10 segundos esperando alguma coisa que eu não sei o que era.
Direto ao banheiro vi meu rosto, semblante: zero. Minha cabeça latejante dizia 'Parece que vai durar uma eternidade'.
Essa vai ser a segunda vez que eu vou ter certeza que eu não consigo ficar sem você. Encare, você(s), como drama ou qualquer outra coisa que queira chamar.
Agora já fazem uns 40 minutos.
A medida que fui voltando para o carro e andava pelos corredores do aeroporto, meu único pensamento era entrar em um avião com você com destino à "qualquer lugar".
Eu não podia sustentar o olhar demais, muito menos dizer alguma coisa. Todo o emaranhado de sentimentos que me afogavam, foram teatralmente disfarçados pelas minhas brincadeiras. Só para te distrair, em tentativas, espero que não vãs, que tu não percebesses que por dentro eu sabia que estava deixando a minha melhor parte embarcar.
Se passou 1 hora. Sentada em minha cama, sei bem como vai ser essa noite. E a de amanhã. E a de depois de amanhã. E a de depois, e depois e depois, até você chegar.
Então eu vou estar lá imóvel naquele saguão, o tempo que for, esperando você aparecer.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

SOS

Eu desci do avião completamente apreensiva. Será que você iria me reconhecer depois de tantos anos?
Só sabia que eu carregava seu coração dentro de uma caixinha que nunca saiu da minha vista e mesmo quando eu me deliciava em outros corpos, eu estava pensando em você, isso conta? Eu aposto que você pensou em mim vez ou outra quando você satisfazia suas necessidades, não é mesmo? Esse tempo longe de ti me deixou incrivelmente sábia e independente... Mesmo assim é errado dizer que eu preciso te dar um abraço e um beijo pra completar minha felicidade? Eu preciso que você diga que por mim ainda sente aquele amor desesperado e que a gente não precise conversar muito e que num olhar a gente compartilhe as experiências dolorosas e prazerosas que tiveram enquanto estivemos separados.
Será pedir demais?
Todo dia eu mandei um grito de socorro pra você, porque eu não conseguia ficar longe de você sem me remoer, sem me condenar por cada maldito dia que eu resolvi ficar longe de você. Eu queria que você me escutasse, querido, você me ouvia pedindo socorro, você me ouvia suplicar por você?
Eu sei que eu desci do avião completamente apreensiva, será que você ia me reconhecer mesmo com essas rugas e esse cabelo diferente? Respirei fundo e passei pelo portão pra dar de cara contigo com uma daquelas plaquinhas, só que com meu nome escrito. Você estava mordendo seu lábio e isso me deixava tão contente porque pelo menos nós dois estávamos nervosos.
Você correu na minha direção e me abraçou, o seu cheiro invadiu meus pulmões e durante dois segundos eu te olhei e contei tudo e você me contou tudo também. Eu lhe entreguei seu coração e você me entregou o meu.
A perna tava bamba. A mão tremia muito. As malas e os corações iam caindo no chão. Nada mais importava.
Mas tudo estava em seu lugar.

O teu verdadeiro trunfo é o meu amor por ti.

Eu acho que você tem uma namorada compreensiva demais...
De fato, costumo ser muito tranquila e passiva em muitas situações. Gosto e detesto isso em mim.
A vantagem que vejo é a diplomacia que tanto precisamos para um relacionamento. No entanto, eu já tenho sido diplomática demais. Uma hora nos cansamos de tanto controle e precisamos de uma válvula de escape, principalmente quando nos deparamos com audácias alheias. Especialmente nessas horas, tenho de confessar, é difícil manter a maturidade. É realmente difícil manter a compostura e a indiferença quando vejo outros tentarem deturpar algo que é nosso, mesmo que se trate de tentativas vãs ou fracassadas. Descobri também que, ao contrário do que costumava pensar sobre mim mesma, eu sou possessiva. Justo eu, a crítica fervorosa, que tanto ferrenhamente critiquei tal comportamento ridículo dos outros. Mas faço da minha a tua descoberta também: você é o único que me fez cair na minha própria cilada. E, honestamente, temo onde isso possa nos levar. Assim como eu estou aprendendo a lidar com esse novo aspecto, você também terá de saber como lidar com algo tão cru e tosco, fruto daquilo que floresceu em mim de forma involuntária. Você, como participante indireto daquilo que pode nos sufocar quando mal manuseado, como conseguirá se esquivar das patadas pesadas, dos rugidos ofensivos, da cara ameaçadora e do silêncio pungente? Particularmente, espero mesmo que você descubra e apazigue a fúria draconiana na medida certa... Porque, nesses ápices, a Sra. Diplomáticompreensiva, sedenta de caos, estará cega, tão cega como a própria Justiça o é.
Sim, desconto toda essa imaturidade, todo esse não-saber-lidar em cima de ti. Mas não se preocupe, não é nada pessoal... Trata-se simplesmente de não haver outra pessoa a qual eu possa fazer com que te poupe da tormenta (des)necessária.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Anti-fofo

A verdade é que eu estou cada dia mais apaixonada por você, Caled. Cada dia mais... Porque você me conhece e é doce comigo até mesmo quando eu não mereço. Eu sou fácil de magoar, ninguém sabe o quanto além de você. 
E todas as vezes que eu me pego estressada, magoada, irredutível acerca de um assunto qualquer, eu tenho seu ombro pra chorar, eu tenho seus olhos pra me acalentar e tenho você inteiro e disposto a me ouvir. Pode parecer tolice, mas significa tudo pra mim porque às vezes eu sinto como se eu não pertencesse a nenhum lugar específico, mas fosse um apanhado de tudo o que os outros acham que eu deveria ser. Eu não pedi pra ninguém depositar suas esperanças em mim, eu me acho um fracasso, menos quando eu tenho você por perto. Talvez eu tenha sido egoísta, talvez eu tenha feito escolhas erradas, mas se elas me trouxeram até o seu caminho, então valeu a pena.
Eu sei que mesmo quando você é ríspido ou sarcástico não é pra me magoar. Aliás você nunca, está me ouvindo? Nunca tem a intenção de me magoar, você sempre só quis o melhor pra mim, eu que às vezes me esqueço disso e fico brava com você desnecessariamente. Você sempre me viu de um jeito que eu nunca tinha me visto antes: como mulher. E me desculpa se meu gênio é difícil e se eu complico as coisas a toa. Se eu choro e me irrito, se eu grito e fico emburrada por não conseguir disfarçar meu descontentamento... 
Você se mantém homem calmo, leve, me faz tremer e me curvar diante do seu ar impenetrável e seguro, é como se minhas palavras duras fossem esmagadas pela tua paciência e pelo teu zelo comigo. 
Se você me beija, meu corpo todo responde junto, foi assim desde o primeiro dia e eu soube ali que era você o único homem capaz de me fazer feliz. Não me importa se você tenta manter essa pose de durão, isso fica melhor em você do que em qualquer um. Mas você põe a mão no meu rosto de forma delicada, me abraça de um jeito que eu me sinto completa, seu amor me nutre, mesmo que nem tudo seja sempre perfeito e eu nunca o desejaria perfeito, prefiro ele assim, cru e honesto, como nós dois somos um com o outro.
Confesso, estar sem você é me ver condenada ao pior tipo de solidão. Eu sempre me acostumei com ela e era muito fácil até você aparecer e me raptar do meu mundo pra entrar no seu. Pra ficar na sua. Fiquei vulnerável, nem sei ao certo como é que tudo isso se deu, porque me parece absurdo que as coisas fossem do jeito que foram. Te conheci de uma maneira inusitada, bem quando não podia te querer, bem quando tudo o que eu desejava era não querer ninguém, você veio. Como um anjo, não é interessante? Você me salvou mas ao mesmo tempo você é aquele que me oferece um pouco de risco, uma coisa incontrolável, pra fugir um pouco da minha mania de fazer tudo certinho. Eu perco o bom senso, eu me arrisco! Porque você segura a minha mão e me diz que vai dar tudo certo, não importa o meu frio na barriga, eu sei que tudo vai dar certo porque eu acredito em você.
Meus desejos todos te envolvem agora, você me desafia, me explica, retira o melhor de mim e guarda em si, em um local seguro pra que ninguém perceba que você é frágil também,  que eu sou importante pra você e que você morre de medo de me perder porque eu também sou o que torna seus dias comuns tão extraordinários. Eu sei disso, eu não estou me enganando como fiz tantas vezes. Você é real, você me conquista, me faz agradecer por tudo o que vivemos...
Eu te vejo, mesmo quando você se sentir invisível, eu sempre vou te enxergar e vou estar lá pra te lembrar a pessoa fascinante que você é, que é pra você perceber que é mais do que maravilhoso, é inesquecível.
Eu mal posso esperar pelos anos que virão, Caled. 
Mal posso esperar por tudo o que me aguarda estando ao seu lado, pelas realizações e pelos novos sonhos.
Quando eu fecho os olhos antes de dormir, eu me vejo num vestido branco caminhando na sua direção.
De repente o resto some quando você se aproxima. 
Eu não preciso que você assuma esse seu lado pra todo mundo ver.
Se eu te chamar de fofo na frente de alguém pode dizer que não é, se quiser, que você é avesso a essas conversas sentimentaloides bestas... Mas pode olhar nos meus olhos e me dizer que quer ter filhos comigo quando estiver tudo deserto. O que me importa é que quando estamos só eu e você o mundo fica suspenso, os sonhos ficam tangíveis e eu me pego conversando sobre a data do nosso casamento, me percebo te ouvindo dizer que eu sou linda e inteligente e pra mim basta. Pra mim basta tudo o que você é comigo, não precisamos ficar nos expondo além do necessário, não preciso de demonstrações públicas de afeto porque eu percebo que não existe outra pessoa que me complete e eleve do modo como você faz. 
Meu anti-fofo é o homem que me faz viver os melhores dias da minha vida.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Tenho escrito menos.

E vivido um pouco mais. A literatura de meus dias perdeu o caráter de microconto, por isso não mais os tantos posts. Virou romance que não mais se capitula em poucos parágrafos.
O romance nos desafia a convicção, muitas vezes tira a paciência, e pode até nos subtrair alguns anos da vida, mas quando é que alguém, por um segundo que fosse, cogitou (de verdade) viver sem ele? Nossas aspirações vão, cada vez mais, aproximando-se da realidade; a gente passa a prometer menos, mentir menos, e chega até a achar que, dessa vez, erraremos menos, por julgarmos saber onde escondem-se todas as bombas desse campo minado. Nem preciso lembrar que a única certeza no romance é a de se estar eternamente em apuros.
Em apuros pois é perigoso. É perigoso porque a gente arrisca. E a gente arrisca porque quer. Ninguém nos obriga a viver o amor, mas a gente ama vivê-lo. Ninguém nos obriga a sentir as mesmas dores de novo, mas a gente se quebra em mil pedaços para sentir o prazer na cura. A gente acha que pode viver sem, mas as palavras soluçadas no fim de uma noite embriagada evidenciam o que, para todos ao nosso redor, já era óbvio: estamos *******.
Em apuros não estou só eu, estamos todos nós, meus caros. Romance é o que se persegue pelas esquinas, que foge à luz dos postes, e ele está bem. Em perigo estamos nós, nesse apuro que reside na nossa urgência em vivê-lo. Vivê-lo, mesmo que torto, inacabado, ferido, precipitado, errado, proibido, ou impossível. Vivê-lo de verdade, com intensidade e sem escudos. Como deve ser, e como inevitavelmente é, quando nosso coração nos dá aquela única e inevitável rasteira que nos faz quicar no chão.

Viver o romance é estar em apuros.
Estou vivendo, e não quero ser salva.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Eu que aprendi.

Meu melhor amigo é meu único amor. O único que consegui. Porque ele sempre volta. E meu coração fica calmo.
Quem tem que ficar, fica.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Black Sand

Todas essas rachaduras, toda essa insanidade e a gente acaba brigando feito cão e gata.
Você me chama de vira-lata e me bate na cara, eu te beijo e a gente faz uma cama no chão da sala.
Não sei em que parte do caminho essas rachaduras tomaram conta da gente, estamos naufragando sem salva-vidas, amor.Você se arriscaria pra salvar tudo isso uma última vez?
Porque eu ainda consigo me lembrar o jeito, o sussurro, como você me chamava de noite.
Eu lembro quando você dizia que a gente ia fugir da rotina, juntos pra sempre.
E toda essa escuridão invadindo o nosso canto.
E todo esse ódio romântico entrelaçado em nosso conto.
É, acho que o tempo está passando.
E nosso relógio de areia está ficando tão negro
Que quem vê até pensa
Que isso é qualquer coisa,
Menos amor.

Ela e eu

Ela é uma, ela é duas, ela é três.
Me descompassa o coração.
Ora é fruto travoso na boca da gente,
Ora é fogo e arde feito vulcão,
Ora é flor sensível exalando seu cheiro de mulher.
Fazendo planos pra cada nova estação...

[E como chora a minha flor]

[E como adoro consolá-la e beijar sua boca com paixão...]

Ela é uma, ela é duas, ela é três.
Quando prepara meu café
De manhã, delicada.
Ou quando me atira as flores no peito
Porque eu esqueci de chegar na hora marcada...

Ah, essa mulher me mata!
Fica linda até quando fica brava...
E eu adoro quando ela me recebe
De cinta-liga e mais nada.

Deus, que bom que bom que és.
Fez dessa louca, minha amada.
E eu o bobo apaixonado aos seus pés.

The last time

Last time I saw you, you were standing in front of my door, with those sad red eyes of crying because of her.
That's the only time when you searched for me, when she made you cry.
Then you entered my life once again because I was special and as you said "You always know what should I do in each and every situation".
"That's an easy thing to do when you're all over the place, in everything I feel, in everything I hear, so deeply under my skin". I replied.
So I let you come in, I let you crash in my couch knowing you would want to crash in my bed, in my heart...
And days became months, months became years...
It was easier to hurt someone like me than to hurt yourself the way you were doing, a man of principles complaining about nothing like a teenager.
So you left saying this was a mistake, that this wasn't right and you should go back to her. That this was the end.
Then why were you devouring me so strongly after all this time? Why you had to be inside of me, giving me the pleasure of your company, feeding me with lust and unrequited love?
So 15 years after you left me to stay with your wife, I receive a call from your mother.
- Jenny, is it true, is it true that you kept all of us from your son?
- Yes, your son is the one that decided we would never see each other, so I kept Lyan as my biggest secret. A piece of him I will never forget. He is grown up and healthy. Doesn't need a father.
- Your stupid bitch, don't you know what happened because of you?
- What are you talking about?
- He was unhappy in his marriage, his wife couldn't have any child and he always dreamt to be a father, then a friend of yours told him that his little affair had his child. He was affraid and ashamed of her finding out the true reason why their marriage never worked properly. He said he loved you and only you since the day he left your door. He said this were the biggest mistake of his life, at least this was written on the letter. And full of guilt he killed himself.







Now I lay here, knees down, crying in front of what is left of you. I am so sorry if it is too late for us... But last time I saw you, you were standing in front of my door, with those sad red eyes of crying because of her. I would suck my pride up, if I knew you spent your whole life...
Crying because of me, my love.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Ampulheta

Eu odeio admitir, mas você ainda está na minha cabeça.
Estranho o que o cérebro costuma fazer com a gente, tortuoso que meu cérebro me faça lembrar de cada toque e cada beijo toda hora que tem um tempo vago para não pensar em nada. E eu quem quis tanto sentir algo assim, impúdico, cheio de consequências, era bom pra me livrar do marasmo.
Eu fico te admirando de longe, fingindo que estou fumando meu cigarro, só queimando o que me intoxica e eu sei que é hora de despejar as cinzas, mas prefiro vê-las caírem como areia numa ampulheta, prefiro contar o tempo que eu passo admirando você, sua voz grossa e distinta, que fica marcada na memória me falando exatamente o que eu queria ouvir no meu ouvido.
Eu odeio que existam opções pra mim, agora que eu não quero ninguém na minha vida e mesmo assim, nas minhas horas vagas eu me pego pensando em você, eu me pego arrumando pra eu te ver no corredor e nem falar contigo, mas só sorrir pra você, já compensa tudo.
Não é uma droga que quanto mais o tempo passe, mais eu goste de você?

Ai, esse calor...

Olhou pra ele e pensou:
"Vai, para de me olhar assim como se eu fosse a mulher mais bonita do mundo.
Para de se aproximar desse jeito.
Para de segurar minhas mãos, de afastar meus cabelos.
Para de beijar meu pescoço
Para de me beijar
Para de deslizar as mãos no meu corpo
Céus, eu não vou resistir!"
- Amor, é melhor parar.
- Porquê, o que que foi? - disse ele sorrindo e se afastando um pouco, encarando-a.
- Brasília já tá quente demais como está. Não tornemos as coisas piores.
E riram recompondo-se, envergonhados e loucos de desejo.

Fogo e Gelo

Eu queria querer como eu te quis um dia,
Era difícil e eu tinha paciência demais
Não queria ficar tão arredia, embora apaixonada,
Com outro alguém que torna isso fácil e não sabes o bem que ele me faz
Te amar foi tal qual enxugar gelo
Em vão...
Coisa de pele, de pelo.
Quando o instinto supera o coração
Eventualmente você desapareceria por debaixo do pano
Como num passe de mágica
Mágico, encantador
Virando água
E eu desaguando
Você pronto
Eu pranto
Você porto
Eu torpor
Ponto
Final.
Acho que é essa a diferença essencial.
Eu gostava da perseguição.
Da adrenalina, de saber que era errado
Em tantos níveis quanto se podia imaginar.
Com ele tudo é reticências e exclamação.
É adormecer e suspirar.
Com ele tudo é calmaria.
E nenhum fascinante caos que você me trouxe
Se compara com o prazer,
Com o prazer e a paz
Que esse homem me traz.

sábado, 10 de setembro de 2011

Tudo Certo

Tudo bem, eu tô me beliscando até agora e me perguntando de onde você tirou todo esse sentimento por mim.
Soa até meio convencida, mas eu sei que você me quer também. É loucura eu sentir isso só pelo tom da sua voz? Pelo som baixinho da sua voz quando você fala comigo, como se qualquer conversa corriqueira fosse uma conversa particular?
Eu devo até confessar que eu gosto disso, de alguém me querer que eu possa querer de volta, mas devo admitir que é um sentimento completamente novo. Eu voltei a ser eu mesma e não tenho ataques de pânico quando você aparece, apenas uma calma interior e todos os meus problemas vão embora. É normal passar do oito ao oitenta desse jeito completamente repentino? É loucura passar o dia esperando que você caminhe abraçado comigo até um canto onde ninguém nos encontre?
Eu honestamente estou te perguntando, porque eu não sei as respostas dessas perguntas. Eu nunca senti isso antes. É loucura pensar que você pode ser o escolhido? Só sei que junto de você fica tudo certo.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Safety

Eu pensei que em seus braços eu me sentiria segura, mas o sinal de alerta na minha cabeça não pára de piscar.
Você me beija e uma onda de pânico vem na cabeça, eu sei que você é encrenca. E você sabe que isso me atrai muito, não é? Porque toda hora seu beijo se intensifica e seu corpo flui no meu como num tango que começa lento, furtivo e termina com todos ofegantes e levemente destruídos por dentro.
Eu te sinto em mim e isso causa o maior duelo interno que eu já sofri. É como se parte de mim quisesse escapar, mas outra te traz pra bem perto de mim. Você vai causar problemas e sabe muito bem que eu estou procurando alguns também. Você tira a insegurança de mim com a mesma velocidade com a qual você tenta tirar o meu vestido e ainda assim me faz sentir completamente insegura por estar fazendo isso com você.
Você é o cara certo? Porque é aparentemente tudo o que eu quero.
Você é o cara certo? Porque é aparentemente tudo de ruim que eu quero.

domingo, 4 de setembro de 2011

Na Hora do Adeus

Eu queria te perguntar por que você tá indo assim do nada, sem ao menos olhar direito pra mim. Queria saber por que você sente tanta necessidade de me deixar ir sendo que eu sou a pessoa errada nessa situação... Eu me comprometi antes de você aparecer e traí esse compromisso achando que você seria a pessoa certa e no fim das contas você só provou ser como todos os outros.
Eu não te odeio, porque eu sou muito idiota pra odiar as pessoas ou até mesmo sentir raiva. O que eu sinto mesmo, é um buraco no coração que você vai cavando aos poucos toda vez que você sussurra adeus, e eu deveria te odiar por me deixar assim completamente sem explicações.
Eu juro que você pode ficar, se sentir vontade, eu juro que eu vou melhorar e te privar de todos os seus vícios, todas os defeitos que te fazem querer fugir pra me destruir menos.
É por isso que você tá indo embora, você não quer me destruir?
Porque se for isso, não se preocupe, amor, eu gosto de catar os pedaços de mim que você joga no chão, porque os remendos deixam um toque charmoso na minha personalidade, como uma boneca remendada que a gente nunca deixa de brincar.
Se você apenas me respondesse o porquê, amor, talvez eu ficasse mais tranquila.
Mas a única coisa que eu escuto de ti é o silêncio, que me diz que você já não me ama tanto assim.
Desse jeito vai ser melhor, não é, amor?
Melhor pros três.

sábado, 3 de setembro de 2011

Não Lembrar

Não é que eu tenha esquecido, amor, eu só prefiro não lembrar. Das lembranças dos toques macios e ternos, dos beijos sem sentimentos, aquela pressão quando você me aperta e me puxa mais pra perto de você e fala alguma coisa bem sacana no meu ouvido.
Tá vendo por que eu não posso me lembrar? Porque eu fico sorrindo que nem uma boba esperando que você vá voltar num cavalo branco e dizer que durante esse tempo todo você sentiu minha falta. Porque dói pensar que eu vou sentir falta dos seus lábios suculentos e do seu sorriso malicioso. Eu não quero me sentir assim.
Deus? Gaia? Libra? Sol? Tem alguém me escutando? Eu não quero me sentir assim, eu odeio me sentir assim impotente e completamente presa na palma da sua mão e sem perspectiva de saída. Não precisa tirar isso de mim completamente, só impedir que meu coração pule instantâneamente pra ele quando eu o vejo, que ele não bata tão audívelmente na minha cabeça impedindo minha razão de realizar qualquer coisa mais astuta do que dar um bom dia.
Então, não é que eu tenha esquecido... Só é mais saudável não lembrar.