sábado, 27 de agosto de 2011

Escrita afetada

É uma coisa engraçada.
Na verdade é bizarro como isso sempre foi fora do meu controle. Me pergunto quantos anos mais passarão e eu me sentirei assim...
Não, sério.
O que você foi? Caramba, você foi um nada.
[...]
Me pego mentindo pra mim mesma. Às vezes ainda procuro saber de você, assim, aleatoriamente.
Vejo que ainda tem um pouco de mim, um pouco de você.
Isso me deixa feliz de um modo esquisito, feliz de um jeito amargurado, um tanto afetado.
Mas para.
Passou, passou isso de lembrar do seu lado bom, seu lado que eu criei na minha mente, que eu guardei pra sempre.
Meu Deus, eu juro.

Pronto, posso voltar à minha rotina, daqui três meses ou quatro eu te procuro de novo, sem você saber, só pra ter certeza que você está bem.
Ou que pelo menos não morreu.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Empacotado

Eu olhei pra sua foto jogada no meio de uma caixa e lembrei do seu rosto na minha mente, de como você sorria no dia que eu te vi pela última vez. Eu analisei a foto e o sorriso dela era forçado, mas eu via contentamento em seus olhos, mesmo que isso não seja muito pra agora.
Eu vi outras fotos, sua câmera e suas cartas... Contei os números de itens pares ou ímpares e lembrei que seu aniversário é daqui a pouco, quero te dar um presente, sabe? Mas não sei se você ainda quer me ver ou está comigo de alguma forma.
Então eu vou esconder essa caixa de lembranças, que é pra não doer meu coração mais do que ele geralmente dói, vou colocar ela num canto escuro da minha cabeça, até que eu não sofra ao lembrar de como você me abraçava ou me fazia sentir especial.
Enquanto isso nossa relação vai ficando assim...
Empacotada.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Mixed Feelings.

"I wanna kiss you, but if I do then I might miss you, babe"
Eu tenho discursos preparados sobre a raiva que eu deveria estar sentindo de você, eles te partiriam no meio e eu voltaria à posição de poder, que eu acho que eu nunca tive. Eu me prometo que vou ser forte e que da próxima vez eu vou criar vergonha - ou falta dela - e finalmente te dizer essas palavras que estão tão presas no meu peito.
Mas eu acho que dizer que eu sinto raiva de você é só adiar uma verdade muito séria: eu gosto de você de um jeito estranho, levemente comedido e incrivelmente intenso e isso, eu posso te garantir que eu nunca senti por ninguém e não é algo que me agrada, não é um frio na barriga gostoso quando você passa, é um pânico interno tão grande que eu não consigo pensar, tampouco falar e teus olhos repousam em mim esperando algum sinal para se aproximar e ao invés de uma paz, eu sinto uma vontade de correr, porque estar perto de você e ser vítima desse poder que você exerce sobre mim me faz sentir drenada, como se todas as muralhas que separassem o verdadeiro eu de você caíssem num efeito dominó.
A cada dia que passa, eu estou me esforçando pra ficar furiosa contigo, mas parece que eu gosto mais de você.

De star a estar...

No começo foi como sempre. Aquele desejo de descobrirem-se. Ela era a estrela em toda festa, como havia de ser, com seu jeito espontâneo e expansivo de se comunicar, de dançar de uma maneira que o fazia querer aprender também só para acompanhá-la, só para, ao ver os outros marmanjos babando no requebrado da morena, caminhar em direção a ela no meio da pista de dança e repousar a mão nos seus belos quadris acompanhando seus movimentos sinuosos. Ele não era um homem de sair, mas sairia por ela.
E, bem, foi o que ele fez. Cansou de admirá-la em segredo e cruzou a pista de dança numa das festas de suas colegas de faculdade.
Enquanto ela dançava os olhares dos dois se cruzaram.
De repente ele estava com as mãos nos quadris da moça que corava e ao mesmo tempo se deixava embalar pelo ritmo da música ou da vontade. Ela riu do ar desengonçado do rapaz que tentava acompanhá-la. Um rapaz garboso, por sinal. Bom de papo, inteligente, gostava de Chico e de Beatles.
Fim de papo. Num clássico Eduardo e Mônica "trocaram telefones, depois telefonaram e decidiram se encontrar". Ele levou flores, fez poemas, levou-a ao cinema várias vezes e pediu pra que ela dissesse "cheese" para imortalizar os momentos a dois.
Apaixonaram-se.
Amaram-se.
Casaram-se.
E aí a responsabilidade aumentou, ela se descuidou um pouco e já não tinha tanto aquele ar de "star".
Foi quando ele saiu de dentro do quarto, engravatado, sapatos pretos, de dança...

Depois de um dia de trabalho cansativo, queria apenas chegar em casa e tirar aquele salto. Preparar um bom jantar e se deitar ao lado do homem que amava. Chegou e tirou o salto, foi pra cozinha e o jantar já havia sido preparado, quando saiu da cozinha e atravessou o corredor se deparou com aquele homem lindo encostado na porta do quarto sorrindo pra ela. Ele caminhou em direção ao som e convidou-a pra dançar e eles dançaram.
Não haviam mais flores, nem cinema, nem drinks...
Ele a via como esposa, não como star.
E ela nunca se sentiu mais feliz na vida.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Think It Means I Love You

Você confunde meus sentidos, me deixa no chão e me faz pensar em coisas que nunca passaram pela minha cabeça.
Não consigo usar minha razão mesmo longe de você, porque todos os meus pensamentos convergem para um ponto comum e só de pensar que você está tão perto de mim faz meu corpo todo estremecer e meu coração palpitar. Eu fico olhando para a porta desse bar esperando você irromper e dizer que tudo está resolvido agora e que você sente exatamente como eu me sinto, mas uma parte de mim sabe que essa possibilidade é mínima, mas eu prefiro me enganar e não pensar nisso, pensar que o melhor de mim faz parte também de você e que pelo menos você sente um pouco a minha falta.
Eu me sinto como se eu estivesse presa no corpo de uma dessas mocinhas apaixonadas que quer fazer tudo por outra pessoa... Essa não sou eu, estou certa, eu nunca precisei de alguém que eu pudesse gostar a ponto de me desfocar completamente de tudo que ocorre à minha volta.
E dentre as imagens difusas, o seu rosto é a única coisa que eu realmente vejo.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Dez

No meu tempo restante eu gosto de sucumbir à você só pra eu sentir seu gosto na minha língua.
Você destrói meus sentidos, meu corpo, minha alma e me desliga de todo tipo de emoção reprimida - ou não - que eu possa sentir. Você me desarma com seus toques certeiros e faz com que meu corpo inteiro desintegre junto aos seu para que fundidos eles sejam finalmente um só, como a gente costumava planejar.
Você se desloca em minha direção e o que acontece entre nós se desenvolve com tanta rapidez que deixa nossas cabeças desnorteadas, você me desenha com os dedos só pra dizer que vai guardar essa imagem, essa fantasia tocada pro resto da sua vida, me beija suavemente e fuma seu cigarro.
'Essa é a última vez', você diz, mas eu não acredito e nem você acredita. Vão haver mais vezes, mais dez vezes, mais mil vezes, mas haverão mais vezes, só porque a gente não se destruiu por inteiro ainda pra se descolar assim de uma vez.
'Baby steps', penso enquanto você me olha curioso.
Dez por cento do meu tempo, eu sucumbo à você, gosto do seu gosto na minha língua, gosto do teu cheiro no meu corpo e de sentir seus olhos em mim quando minha mente começa a vagar. Você destrói meus sentidos, meu corpo e minha alma, mas ainda não me destruiu por inteiro e enquanto isso não acontecer eu vou continuar desfrutando isso contigo.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Last Dance Honey

Eu tenho a necessidade de te dizer, nem que seja só pro "você" existente na minha mente, que todas aqueles dias que eu passei ao seu lado foram os melhores, mesmo quando a gente brigava, mesmo quando você colocava tudo o que eu era no chão e pisava em cima, me esmigalhava e eu fingia que você era o vilão, na verdade eu, que imersa em caos, te atraía pra minha vida com meu impulso desenfreado de auto-destruição. Era melhor que fosse você do que qualquer outro pamonha que dissesse coisas melosas como "vai ser sempre você". Você disse o contrário, nunca seria eu, fez disso um desafio pra mim. Você é irritante, mentiroso compulsivo, arrogante, estúpido e encrenca na certa... Acho que por isso eu tenho tanto fascínio por você. Pela sua capacidade de ser tão amoroso com os seus e tão desprezível com o resto. Parece que nada te atinge, nada te abala, você sempre leva a vida com uma risada. Tem uma lábia tão filha da puta boa que até a pessoa mais resistente cai. Cai porque você é charmoso, cai porque você se adapta a qualquer ambiente e descobre sempre um interesse comum com os outros. Céus, eu não sei como agir diante de você, eu perco o juízo, a paciência, a compostura, me torno o melhor pior eu. E saiba que eu estou profundamente arrependida de ter dito sim quando eu sei que isso é errado em tantos níveis. O que eu mais queria era poder, poder dizer: "Sim, venha. Vem que meus braços estão abertos porque eles nunca se fecharam pra você".
Calma aí, não entra na minha cabeça de novo, eu nem comecei a dizer tudo o que você representou... Instinto, desejo, vontade, ânsia, descoberta, música, liberdade, amor, por mais que eu me envergonhe disso o meu primeiro amor foi você. Você era tudo o que eu queria ser e ter e saber e conhecer e convencer. E vencer te ouvindo dizer que nós realmente fomos feitos um pro outro e que não há nada nesse mundo que vai separar o que sempre foi destinado desde o primeiro momento. Eu estou deitada no chão do quarto pensando em todas essas palavras e queria mesmo que em átimos você girasse a maçaneta pra fazer meu coração acelerar com a possibilidade de ser você. Queria que fosse você, me sorripnotizando com suas amaldiçoadas covinhas. Queria que você deitasse seu corpo por cima do meu e eu abrisse os olhos com os seus bem ali, pertinho. Que você comprimisse minhas mãos contra o chão com as suas entrelaçadas. Sentir a respiração ofegante e dizer cantando "I felt you in my legs before I ever met you... I feel you in my heart and I don't even know you". Porque eu não ia desejar saber todos os detalhes de uma vez, mas prefiro assim, te conhecendo por tantos anos sem te conhecer plenamente. Você é meu demônio. Meu pesadelo mais lindo, meu desespero, minha indecisão, meu fantasma. Você é o meu anjo, meu vampiro, meu céu e meu inferno, você é meu pedestal e uma larva que se alimenta de mim como um vício. Cansei de ter que explicar, cansei de dizer, deixa eu sentir que é pra entender que essa é a última oportunidade que eu nos concedo.
A última dança meu bem...
Uma valsinha lenta que pode terminar em um dramático tango argentino.
E eu tenho esperado pra dançar com você faz muito tempo.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Some Body

Eu quero puxar-lhe os cabelos e aproximar-me de ti, dizer todas as profanidades que penso bem baixinho no seu ouvido enquanto você sorri e finge que não sabe de onde eu estou tirando tanta paixão assim. Quero tomar você em meus braços e beber sua essência, para que você fique drenado de todas as coisas que me atraiam magneticamente a você. Quero tirar o sorriso arrogante da sua cara e tirar o seu coração que conhece o meu como se fosse sua própria casa, quero fazer você se ajoelhar diante de mim e dizer que me ama tanto que não consegue pôr o pé na frente do outro sem pensar em como isso me afeta.
Noventa por cento do tempo, eu quero te eliminar da minha vida e avançar o tempo, só porque este é a única borracha que apagaria você da minha cabeça, do meu corpo, da minha alma. Eu não me importo de te destruir, desde que você saiba o porquê dessa minha atitude tão revoltosa.
Porque no fim das contas você é só mais alguém. Só mais um perturbado que faz questão de destruir gentilmente cada uma que toca, só para que quando você cole os pedaços, elas nem se dêem conta de que você as partiu antes.
Você já analisa e planeja tudo sabendo que sua isca vai ser mordida e gosta de começar o jogo já com a vantagem e eu prometo a você que hoje você vai perder, porque eu vou tomar-te como meu e te direi palavras que logo vão quebrar seu espírito com gentileza e amor.
Sim, eu amo você.
Mas eu tenho certeza que noutro corpo, uma alma como a sua habita e estou certa de que ela será gentil comigo como você nunca foi e noutro corpo me deleitarei e darei todo meu amor sem medo do que vier.
Então contente-se em jogar a próxima rodada com mais cuidado, querido, porque esta você perdeu.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Begging

Eu tenho vontade de te esmurrar às vezes, só porque você não me abandona nem quando eu peço gentilmente, mas quando eu páro pra pensar, não tenho ninguém mais a culpar além de mim mesma que vive alimentando seu fantasma só pra ver quanto tempo ele fica por perto.
Mas por outro lado, você poderia parar voluntariamente de me assombrar e deixar as coisas fluírem do jeito que elas deveriam ser.
Mas acho que não seria a mesma coisa... Você é a pessoa com a qual eu comparo todas as outras e não consigo mais imaginar minha vida se esticando além da sua, porque você é quem me hipnotiza e me faz sempre implorar por mais.
Imaginar um mundo onde não haja sua voz na minha cabeça ou nossa música em meu coração é imaginar o mundo mais solitário e cinza do mundo, onde até mesmo o sorriso das crianças cheias de vida não tem o mesmo brilho que costumavam ter. Não é que eu não viva sem você, eu já te provei mil vezes que consigo sobreviver sem sua presença na minha vidae consigo fazê-lo da melhor forma, para que você não veja a culpa em meus olhos de todos os homens que precediam o seu retorno triunfal na minha vida.
É estranho olhar pra trás e enxergar a real bagunça que você fez na minha cabeça e como esse caos se encaixa perfeitamente no meu cotidiano e como sem ele a vida parece apenas uma sucessão de dias sem graças e sem propósitos.
O que eu quero dizer é que já que meus pedidos não te alcançam mais, eu vim implorar, mas não de joelhos e sim de pé e olhando nos seus olhos para que eu possa interpretar o que eles realmente querem me dizer. Porque não importa o quão destrutivo você seja.
Vai ser sempre você.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Que seja leve

Não quero teus dias corridos, teu tempo contado. Quero todo tempo do mundo. Guarda o teu dinheiro. Não quero coisas caras, prefiro as raras. Quero piquenique no parque. Quero sentar no balanço. Andar de mãos dadas. Pés descalços na areia. Quero beijo de boa noite e alguém que me cubra quando o lençol escorregar. Que não poupe palavras, elas são essenciais. Que me escreva bilhetinhos. Que não ria por eu ter medo de buracos. Que não me deixe na mão, mesmo quando eu disser que consigo sozinha. Alguém que entenda meus surtos. E que enxergue que tenho um olho mais claro que o outro. E que me veja, me perceba, me sinta e note que meu jeito auto suficiente é o medo de depender das pessoas. É a forma que eu encontro pra disfarçar minhas fraquezas.
Alguém que entenda meus choros, não só os que saem. Aqueles que ficam escondidos e ninguém vê. E que não me ache boba por querer construir um abrigo pra animais. Não precisa me entender sempre, só me escutar. Não precisa concordar, só me amar. Por favor, me ame com tudo o que você tem. Me ame com o meu cabelo despenteado, com as olheiras, as sardas, com minha compulsão por comer besteira. Me ame com meu medo de dormir com os pés destapados. Me ame com tudo que eu tenho.

Lucky

A gente não precisa de palavras pra se fazer entender porque basta um olhar que eu já entendo o que existe dentro da sua alma e todos os sentimentos que ficam presos na garganta, não ditos, mas que existem latentes em nosso coração.
Isso pode soar bem bestinha, mas eu estou disposta a te ajudar a carregar essa enorme bagagem emocional que você traz consigo e que faz suas costas pesarem. Eu sei que houveram outras antes de mim e contanto que não haja resquícios de sentimentos por outras, eu não me importo se você beijou milhares de moças e me tomou em seus braços e me chamou de sua.
O que a gente sente passou de uma paixão arrebatadora e já é um gostar mais profundo... A gente não precisa de longos beijos ou toques mais íntimos pra demonstrar pro mundo que o que a gente sente é mais do que uma paixão juvenil ou um caso de verão, porque já está impresso na nossa mente e passível de lembranças ternas sobre juras de amor.
Quer dizer...
Eu acho que isso é amor... Essa reciprocidade, essa lealdade e esse comprometimento que muitos matariam pra ter.
Será que a gente percebe quão sortudos somos?

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Não. Não. Não.

Eu te olho e você olha pra ela. Não soa como o clichê mais velho de todos os tempos? Eu quero você, você quer ela, mas ainda me quer.
Deu pra acompanhar isso?
A gente conversa, a gente dança, a gente ri, mas nunca vamos além de nada disso. Ela te dá mais coisas do que eu e permanecerão as coisas assim.
Eu não quero mais você perto de mim pra tentar me seduzir ou me deixar pra baixo, com vontade de me agarrar aos vícios só pra negar que eu realmente quero você.
Ainda tá acompanhando?
Eu tenho medo de nunca te contar que é impossível te superar e mais impossível ainda de te esquecer, sendo que a única palavra que consegue fazer meu coração palpitar é o seu nome... Sempre foi você, vê? Mas nunca fui eu... Ou foi só por um tempo, pra suprir uma coisa que você não tem.
Minha cabeça tá rodando com tantos sentimentos misturados que estão formando o maior caos dentro de mim. E toda hora que eu te vejo, e percebo que você sorri pra mim, o mundo todo se desfaz e só existe eu e você.
Não.
Eu, você e ela.
E eu prometo que eu não me rastejo mais se você prometer guardar seus sorrisos e brincadeiras só pra ela. Eu prometo que eu vou fazer vista grossa pras suas  brincadeiras e vou ficar apenas tentada a te ligar no meio da noite e dizer que eu sinto sua falta pra caramba.
Não.
Eu não quero prometer coisas que eu não possa cumprir, não é mesmo? Porque eu sei que qualquer dia desses eu apareço na sua porta pedindo pra você me amar.
Eu não sou idiota? Eu tenho que te pedir, implorar pra me amar do jeito que eu te amo e tirar dos seus olhos essa lente que só te permite me ver como uma amiga, ou até mesmo uma pessoa que não é tão digna assim de se olhar.
Não. Não. Não.
Por favor...
Eu não posso ficar apaixonada por você.

The Point

Você me deixou na última primavera.
Não precisa lutar ou negar, eu sei e você sabe bem o que você fez e eu pedi pra você não me deixar pra trás, mas talvez você não tenha entendido o recado.
Uma promessa quebrada, estilhaçada no chão em mil pedaços e eu fico me perguntando como eu consigo colar esses cacos e voltar a ser o que éramos se você nem ao menos tenta? Se nossas promessas e votos se tornaram cumprimentos cordiais e um abismo se pôs entre nós.
Não me peça pra voltar a ser quem eu era, porque nesse tempo eu amadureci... Assim como as estações do ano, eu tive que passar pelo calor infernal, pelo frio cortante e pela "queda" das diversas partes ingênuas de mim para que eu finalmente desabrochasse e visse que as partes ingênuas caídas no chão se convenciam de que você era a resposta de todos os problemas, quando você estava bem no olho do furacão que estava levando minha esperança de te ver na minha porta pedindo pra voltar embora.
E hoje eu não sei se eu fico rindo ou chorando porque eu realmente acreditei que você fazia jus à tudo que dizia, pra você palavras são apenas letras articuladas e sem significado e pra mim... Bom, as palavras são a minha vida, a minha identidade e o que eu sou.
Eu quero dizer tudo isso hoje porque conforme a manhã vai chegando, minha coragem de te olhar nos olhos e dizer tudo isso que eu sinto - e sempre senti - vai se esvaindo continuamente e eu não quero mais viver sorrindo pra você quando por dentro você me tirou tudo que me fazia acreditar que tu ainda estaria aqui do meu lado.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Trydubarerck

Você me vira do avesso, diz que eu não te mereço e me pede pra voltar.
Você me olha nos olhos, incendeia minha alma e pede pra eu não me apaixonar.
Queria saber como é possível eu manter esses sentimentos por você durante tanto tempo, queria saber um elixir pra te botar de lado e finalmente construir uma vida no singular e não no plural.
Eu sinto seus olhos em mim, toda vez que a gente está no mesmo lugar e isso me mata, porque eu não sei o que você vai fazer a seguir e esse seu jeito imprevisível me impressionava apenas quando eu era jovem e burra o suficiente pra pensar que eu era sua e você era meu. Quando eu achava que um amor assim só acontecia uma vez na vida...
Mas a quem eu estou querendo enganar?
Eu tive dezenas de homens que esquentaram minha cama, mas nunca verdadeiramente aqueceram meu coração, isso é se ele não ficou todo contigo depois daquele nosso primeiro beijo. Porque mesmo lá eu sabia que só tinha você e que ninguém mais ia fazer meu sangue borbulhar de raiva e júbilo ao mesmo tempo.
Quentes são as lembranças, meu coração, minha cama, os momentos em que você fala baixinho, só pra eu me aproximar de você, me beija repentinamente e me tira o chão e todo o resto do mundo. Arde pensar que você ainda tem o mesmo efeito do que antes, você sente o mesmo?
Eu estou derramando o que restou do meu coração surrado dentro do seu, ou dentro do meu... Não sei mais diferenciar o meu coração do seu. Isso não é completamente ridículo?
Você não precisa dizer algo à altura, ou recitar um longo poema de Shakespeare pra dizer que também sente o mesmo tipo de quentura que a minha, eu só peço que você diga para eu ficar aqui e viver a mesma vida que eu idealizei contigo há tantos anos atrás.
Can you take me in your arms and never let go, my love? Because that's all I'm asking.

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Everyday

Everyday a kiss,
everyday a gesture,
everyday a laugh,
everyday love,
everyday differences,
everyday a fight,
everyday a scar,
everyday arguing,
every freaking day,
between ever and day
always in the line.
It's us,
caught in this trap
made to break it all,
made to make us lose it all
and we're losing control
and patience and our love
Every single day.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Passageira

Primeiro passo nos seus olhos, eu vejo um abismo tão grande que me dói o peito.
Cansei mesmo de tentar fazer você se erguer, meu coração..
Até as luzes da cidade de noite parecem meio opacas,
                                                                    [opacidade é o seu maior defeito.
Perdido será que ouve o ecoar dos meus passos na sua direção?
Talvez sim... Ou não.
Os invisíveis adormecem
Ao som de canções de ninar
E se você não abrir os olhos, doçura.
A realidade nunca vai te encontrar.
Fica aqui, vai, segura minha mão.
Permaneça e adormeça, sem medo do que vai chegar
Que essa é, meu amor, nossa última canção
O último passo é rir pra não chorar.