terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Doação

Me dá toda sua tristeza que eu transformo em amor.
Eu queria que tu me ensinasse a ler tuas entrelinhas ou que suas verdades estivessem mais expostas sob longos cílios. Queria saber se nossa história cheia de desencontros te incomoda tanto quanto a mim, e se é tão difícil para você seguir após as convergências da nossa sina.
É árduo não saber se o que você enxerga quando me vê é algo que mereça perdurar, porque eu já tatuei você nas minhas pálpebras, te sinto a cada piscar de olhos. Me conta teus segredos, vai. Dos indecentes aos inocentes. Me deixa ler o que você deixa implícito, decodificar essa língua que só tua pupila é capaz de traduzir.
Abre tua mão e me deixar traçar com meus dedos as tuas linhas que a cigana afirmou conter teu rumo, e me desenha ali também. Por mais que eu ame teus mistérios, teu silêncio é maior do que as palavras que arranco da tua íris.
No teu silêncio existe um infinito do qual eu necessito, mas não consigo decifrar.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Dois pra lá


Àquela altura eu já estava leve. Na minha cabeça, fiz uma oração agradecendo pela cerveja e pela vodka - ou seria tequila? - e depois fiquei com uma leve culpa católica pensando que aquilo poderia ser um sacrilegio. Mas depois toquei o foda-se, tava leve mesmo...
Todo mundo se juntou pra fazer parzinho de dança, e ela te agarrou tão forte como eu devia ter feito. Eu quis chorar, gritar, derrubar ela no chão e dizer que você era meu primeiro, mas ao invés disso, fiquei me doendo por dentro enquanto um amigo me tirou pra dançar.
Ver você me deixava sóbria de novo, peguei o que havia no copo do amigo enquanto o ensinava a me rodar com mais gentileza; era verde e era forte e quando eu terminei de beber, ele me rodou e o mundo todo girou...
Ah! Assim era BEM melhor.
Ou seria, se eu não tivesse caído em ti. Minha cabeça tava rodando ainda e você me segurou.
"A gente pode dançar também"
"Que?"
"Ela foi ensinar seu par a girar", ele riu o riso que me desarmava
Dois pra lá, dois pra cá. Tava fácil.
Por alguma razão tava tocando a música homônima da Elis na cabeça.
Tu me jogou, me girou e fez tudo o que tinha direito. Eu respirei fundo, queria falar algo que não ia fazer parecer que eu era uma sucker por você, abri a boca e disse:
"Eu só..."
"Você demorou demais"
"Que?"
"Eu tô feliz agora. Mas se você quiser..."
"O que"
"Nada"
"Ok"
"Dois pra lá", ele sussurrou no meu ouvido, apontando pra direita.

E nada de dois pra cá.
Chega de dança, não adianta nada estar aqui sendo que tudo vai continuar numa reticência.
Não tava mais leve, então fui até o bar... Um rapaz me chamou pra dançar.
Obrigado senhor, pela tequila e foda-se a culpa católica, eu preciso aprender novas danças.

To the stupid man who will spend the rest of his life with me because he wants that

Eu vou me casar com você todos os dias. Todos os dias eu vou dizer "sim" de novo e de novo. Vou me casar com você todas as manhãs na cama. E depois na cozinha, vamos ter nossa lua de mel. 
Todas as segundas vou te amar como nos domingos, e em todos os momentos de amargura que eu quiser jogar tudo para o alto, vou ficar e te amar mais ainda.
Quando eu quiser quebrar a louça da cozinha na sua cabeça, meu bem, vou fazer teu prato favorito. Eu vou querer fazer amor contigo no banheiro do avião assim como fazemos amor de surpresa no nosso banheiro. E continuarei te desejando 365 dias por ano.
E se você deixar a toalha molhada em cima da cama, apertar a pasta de dente na metade, bagunçar meus papéis, esquadros e lápis do escritório e eu te encontrar dormindo sem querer, com um livro em cima de você no sofá... Eu esqueço de tudo e me deito junto à você e sua paz.
Minha paz.
Mesmo que eu te faça perder a razão, meu bem, lembra de como somos agora, diz "sim" e me aceita todos esses dias.
Não vai ser fácil. Eu não sou fácil. Mas vai valer a pena. Você vale a pena.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Eu não poderia. Mesmo com a música mais alta que as batidas do meu coração, mesmo com as luzes piscando mais rápido que meus olhos, mesmo com os rostos masculinos querendo ultrapassar os limites de aproximação, mesmo com o mundo girando lento.
Eu procurava inconscientemente em todos ali, o garoto de cabelo sem corte, óculos de aro preto, fumando um cigarro, mas ele não iria aparecer.
Nenhum deles teria seu cheiro, nenhum deles teria seu beijo, nenhum deles me faria perder a cabeça, nenhum deles me daria um frio na barriga, nenhum daqueles caras que tentavam me fazer mudar de ideia borrariam meu batom vermelho,
nenhum deles era você.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Nem fechei os olhos mas já sonhei umas 20 vezes com você hoje. Só não sei dizer se foi sonho bom ou sonho triste. 
Porque deu vontade que a minha cama não fosse só minha, e meu corpo não fosse só meu. E mesmo sabendo que no fundo, já não pertenço mais a mim, você não está aqui pra me fazer sua, sua, tão sua. Vem dizendo que eu não preciso mais me sentir só.
Fecho os olhos enfim e você está lá, moreno, você está lá. E eu já não sou tão só. Não, eu não sou mais sozinha. Depois de você, eu sou nós.
Nós que eu não quero desatar, nós que eu quero complicar de um jeito que não dá mais pra soltar.
Não me solta, não me solta.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Fantasy

O vapor tava impregnado no espelho e você apareceu atrás de mim, por mais que eu não te visse, sabia que você tava com aquele sorriso no rosto, o nosso sorriso, tu disse que era até melhor que a gente não visse nada.
O seus lábios estavam quentes no meu ombro, o chuveiro tava correndo e o barulho da água tava chamando a gente, então primeiro os cabelos foram se molhando enquanto estavam emaranhados entre mãos, os lábios agora não se desgrudavam mais e pouco a pouco a temperatura ia subindo mais e mais. Você pôs a mão na minha cintura e disse que me amava, mas falava entre pausas arfantes, ávidas, loucas por mais e eu honestamente não tinha nem forças pra responder, então trouxe seu corpo bem pra junto do meu em resposta. Queria você assim todo dia, quente, na minha mão, me amando; me queria todo dia assim, te amando, na sua mão, mais quente que o inferno e adorando cada passo disso.
O vapor foi subindo cada vez mais e tudo ficou mais intenso, mais alto, mais vibrante; nossos corpos se pertenciam e estavam na mesma frequência, a mão subia, a mão descia e logo depois eu fechei os olhos.
Podia sentir seus dentes no lóbulo da minha orelha, podia sentir o cheiro da fantasia no ar, me tomando aos poucos.
Ah, se essa quentura toda vai nos levar ao inferno, amor... Eu vou de bom grado.

Paisagem

Contemplava o mesmo céu que você, o contraste das cores primárias dançando freneticamente... Ou talvez eu só estivesse percebendo o rápido giro da Terra agora.
Respirei fundo e apoiei meu copo de café do lado do seu, que já tava quase vazio; acendi um cigarro e joguei a primeira fumaça pra cima, esperando que o cinza se juntasse à mescla do céu e olhei pro lado. Você parecia mais lindo ainda sob a luz do sol fraco que nascia detrás das árvores da reserva, não podia ser   que tu não visse isso, tava ali na tua frente todo dia no espelho, o reflexo de quem você era por fora não era de um cara fudido e sofrido, era o reflexo de quem eu sempre sonhei pra mim, daquele cara que era tão perfeito, até nas imperfeições.
Sabia que você tava pensando em todas as coisas que te deixam chateado com sei-lá-o-que e te mantém acordado nalgumas noites, seu silêncio já me dizia tudo que eu precisava saber. Pisei na ponta do cigarro e o atirei no asfalto, dei um gole de café e um beijo em sua bochecha.
Chega de olhar o céu, meu amor, que o dia tá chegando, o Sol tá raiando e Deus sabe que luz demais não faz tão bem, você me enxerga completamente sob a luz e eu tenho medo de você ver quem eu sou de verdade...
Te conduzo devagarinho pra dentro da casa, segurando sua mão, olhando nos seus olhos, mas vejo que tudo ainda tá meio difuso neles, a imagem do céu ainda não saiu deles, mas eu sei que logo que você entrar, tudo vai ser diferente.
Eu entro.
Você entra.
Eu apago a luz
E...

Ação!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013


Porque você não me diz logo que não me quer mais do teu lado? Que não quer uma garota que não ri o suficiente do teu lado? Uma garota que beija teu ombro molhado de suor mesmo você reclamando por estar sujo, tu não quer essa garota, não é?
Porque se afastar aos poucos, me fazendo viver numa agonia sem fim a cada minuto que passo longe de ti se tu pode simplesmente falar a verdade?
Eu só queria um porque. Isso é tudo que eu queria, porque. Porque?
E não me venha com "eu te avisei que eu era assim", não me venha contando das outras três mil meninas que te odeiam hoje. Não me venha com "eu sou intenso demais", ninguém é simplesmente intenso demais a ponto de dizer que está apaixonado.
Isso tem outro nome. É mentira.
Você quis desistir no minuto que te abracei de verdade, naquele minuto, naquele abraço, quando meu rosto encaixou perfeitamente na curva do teu ombro e do teu pescoço. Ali, ali foi tudo verdade. Eu era só amor. E você soube disso também. Você sentiu meu corpo esquentar, sentiu tudo que eu podia te dar. Eu soube ali. Você soube ali. Então você quis me deixar ir por não poder aceitar o que eu tinha pra te oferecer a partir daquele momento.
Eu soube que eu te queria no dia que você decidiu que não podia me amar. Eu te via fumando seus cigarros, sério, tomando suas decisões, olhando longe, e em minha mente eu só ouvia "eu quero você eu quero você eu quero você". E eu sorria, sorria até doer, porque eu te queria. E você me olhou sério sem entender, querendo matar meu sorriso bobo. 
E por mais que eu deteste admitir isso, eu sinto tua falta. Sinto muito a tua falta. Sinto falta de você dizendo "eu gosto de você" no meu ouvido enquanto meu rosto está virado pro lado oposto do teu.
Sinto falta do teu medo por nunca ter se sentido assim.
Cara, eu tô com muita saudade de você.
De VOCÊ. Não de uma mensagem forçada de bom dia, eu tô com saudade da gente. Eu não quero esforço, eu quero natural, quero o sem querer, quero involuntário. 
E isso é muito errado, eu sabia desde o início que eu não devia me envolver. E tava tudo ocorrendo muito bem até eu vacilar. Eu errei quando achei que você podia ser a pessoa que iria mudar meu jeito frio de ser.
"Isso tudo é muito bonito, esse plano é muito bom, pena que só funciona nos filmes".
Menino, eu não posso reformar um coração se tem alguém que ainda vive nele.

Eu sei que eu devia dormir...

Mas sem o gosto bom dos seus lábios, o frescor do seu hálito e a sua respiração na minha nuca, enquanto seu corpo me envolve e me embala até adormecer, qual o objetivo?
Amo você e a culpa é sua.

Hahaha

Passarinhos passaram por aqui
Me disseram que você já não se importava mais
Eu cantei com eles uma canção
Pra espantar a dor e espantei
Ela saiu voando e cantarolando nossa criação
Disseram que o Reino todo ouviu
E que as memórias apareceram pra dançar
Ciranda ao seu redor
Num lembrete das besteiras que fez
E que você ficou tão impressionado
Com a minha paciência e dignidade
Que não aguentou a vergonha
E foi viver feliz para sempre em outra história
Por que sabia que o felizes para sempre
Era só meu começo longe de você.
Passarinhos me contaram tudo
E eu não consegui parar de rir
Nem eles conseguiram...

Estou sem sono

A cabeça está aberta,
o coração vai guiando,
cheio de sonhos
distantes de chegar
Na ausência
De entorpecimento
Minha mente vai
A cem por hora
Numa estrada reta
Cem, zona de conforto
Sem me confortar
Sem tempo pra parar
Pra ir ao banheiro ou
Beber um suco
E me conformar
Minha mente vai
A cem, por ora,
E o horizonte tá
Ali em frente
E eu cansei de esperar
Gente que enfrente
Comigo as dores 
De um "parto"
Porque eu saio 
Quando bem quiser
E você ainda
Não entendeu
Sou meio bicho do mato
Arredio, domesticável
Se houver contato
Com tato
E polidez
Não te ocorreu?
Quero mais da vida
Quero agradecer 
Por cruzar cada linha
Quero esquecer de tudo
Que não funcionou
E quando eu for 
Descansar feliz, dirão:
Hoje ela sentiu sono,
Dormiu nos braços dele
E, olha, até sonhou.

O contrário de uma adoração.

Se quando eu deito na cama, eu peço ao Todo Poderoso "mas livrai-me do mal, amém" e você vive me irritando, me tirando do sério, me trazendo conflitos que eu não me sinto agora preparada pra enfrentar...
Porque raios você continua no meu caminho como uma estranha obsessão ou sina, que eu não consigo evitar?
Vou ver se troco o "livrai-me do mal, amém", por "livrai-me dele, amém". 
Quem sabe assim eu te afaste da minha cabeça e do meu coração de uma vez por todas, como eu tenho sonhado nos últimos tempos.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Dividir

Por que não dividimos a culpa, amor?
Se eu fui tão rápida em pular fora do barco quanto você, se no fim só ficou cada um pro lado do rio, secos, nus, assistindo enquanto nosso amor naufragava lentamente naquele lago onde tudo começou.
Eu até te diria pra chegar mais perto, mas a nossa ponte tava queimando perante nossos olhos e eu como uma boa piromaníaca, só fiquei olhando enquanto o que fomos, somos ou construímos ia se consumindo. Cheguei até a ver faíscas nos seus olhos, não sabia ao certo se de ódio ou de amor, mas todos sabem que entre esses dois existe uma linha bem fina, imperceptível quase, quase gritei perguntando se você me odiava ou se ainda me amava, mas àquele ponto não fazia mais diferença, tava tudo indo às cucuias mesmo.
Vi você olhando com tanta concentração quanto eu, praquele barquinho de papel que queimava no lago e nada a gente fazia pra apagar aquele fogo... Não, não. Aquilo não nos pertencia mais, o fogo da paixão, daquele momento não era mais do nosso feitio, agora eram conversas secas, dispensáveis e sem emoção.
A gente uma vez dividiu nossa vida um com o outro.
E agora que acabou... Por que não dividimos a culpa?