segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Perspectiva

Você ferra minha cabeça.
Parece que deixou uma semente estranha que vive crescendo dentro de mim, mas que nunca vai pertencer à mim e que meu corpo tenta desesperadamente arrancar, como uma erva daninha no mais lindo jardim. Você cultivou algo em mim que nem eu mesma sabia que existia, e o que eu pensei ser uma linda flor que desabrocha, mesmo nessa primavera fria, tornou-se uma planta carnívora que me devora de dentro pra fora.
Eu digo que eu vou parar de cultivar, meu corpo vai parar de te alimentar e você vai morrer, mas eu não sei se quem vai sofrer mais serei eu ou você. Uma metade de mim ainda acredita que um dia você vai parar de cultivar o que me faz tão mal; a outra metade quer te arrancar pela raiz, seja com um facão ou com as próprias mãos. Doeria em você, ver a única marca que você deixou em mim ser finalmente - e ultimamente - destruída, como se a impressão que você fez fosse como qualquer uma das outras, como se você fosse qualquer um dos outros.
Eu não quero magoar seus sentimentos.
Mentira... Quero sim. Parte de mim quer ver você comer o pão que o diabo amassou só pra no fim perceber que você não passa de um ignorante que perdeu a melhor oportunidade da vida; parte de mim quer te ter por perto twenty four seven.
Merda.
Eu não quero deixar você ir...

2 comentários: