domingo, 25 de setembro de 2011

Um Minuto Para o Fim do Mundo...

De todas as coisas bonitas com as quais eu sonhei, nada superou ontem. Eu estava num daqueles dias terríveis, onde você se olha no espelho pensando que nunca viu nada pior. Estava cansada de me cercar e da vida que eu levava, e de não ter nada meu e de não sentir o menor desejo de estudar quando o que eu quero alcançar depende unica e exclusivamente do meu estudo. A paciência já tinha se esvaído, mas de alguma forma o fato de você me abraçar e me beijar me tirou do meu buraco-negro. De alguma forma, mesmo sabendo que era errado comer um sanduíche, quando eu me sentia tão fora de forma e já tinha jantado, teve um sabor diferente... Por que você sempre me acalma o espírito por mais desequilibrada que eu esteja. E aí depois da calmaria, o boom de novo.
Eu explodindo lentamente por um comentário seu. Foi aquele misto de baixa estima com medo de perder você... Silêncio até chegar ali. Não sei o que te faz segurar minha mão quando eu fico insuportável desse jeito. Você lá, tentando resolver o enigma, o mistério que circundava o meu olhar perdido e inundado... "Deita aqui na minha perna, vai... Encosta a cabeça no meu peito". Aquela suavidade que só você domina. Eu me descabelando, tentando falar mas as palavras não saíam. Depois do meu choro estar devidamente fundamentado você se ajoelhou na minha frente e olhando nos meus olhos disse que eu era a mulher mais linda, que quando se sente um amor tão grande como o que você sente por mim nada mudaria isso."Nada vai mudar nós dois". Que eu era a mulher que você amava, e que não entendia o porque de eu estar tão insegura quando tudo o que você faz é pra me enaltecer, pra me mostrar o quão maravilhosa eu sou aos seus olhos. Aí eu assumi que tinha um medo danado de te perder e você disse que isso não aconteceria. Deitou-se no chão e eu fiz o mesmo e fiquei deitada com a cabeça no seu peito contendo o choro. Aí eu te beijei e lembrei que não existe tempo ruim perto de você... Que algo de bom eu devo ter porque você me devora com os olhos, invade minha alma, derrubando as portas com os pés, sem pedir licença, sem dar espaço pra hesitação ou temor, só desce o pé, quebra a porta e vem ao meu resgate... Sempre pra me salvar do meu pior monstro:
Eu mesma.

"Quando estou com você [...]
Perco o chão sob os meus pés
Me falta o ar pra respirar
E só de pensar em te perder por um segundo
Eu sei que isso é o fim do mundo..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário