domingo, 21 de novembro de 2010

Te ver e não te querer...

... é improvável, é impossível.

Eu queria muito ser aquela pessoa superior que olharia pra você e não sentiria nada além de desprezo e um pouco de pena, mas ao invés disso eu fico pagando de idiota esperando que você olhe pra trás e tente se lembrar dos lindos momentos que passamos juntos, do quanto a gente já foi feliz num tempo em que conflitos não existiam no nosso dicionário.
Eu queria poder te olhar e falar, não coisas frívolas, e sim sobre a bagunça que você fez na minha vida, eu queria poder olhar nos teus olhos e te contar minhas frases feitas e minhas reações irônicas e excessivas ao seu comportamento quase previsível pra mim, eu acho que de tanto querer isso, já tive inúmeros diálogos contigo na minha cabeça.
Eu queria poder ver os seus olhos com um brilho quase como o sol e não sentir minhas entranhas quererem sair de mim até você, pra desfrutar do perfume natural que você tem e do jeito que seus cabelos ficam bagunçados quando você corre; eu queria mesmo que você não m afetasse tanto e que fosse na verdade o contrário, que você não pudesse articular as palavras quando estivesse perto de mim.
Essa seria a vingança perfeita.
"Te ver e ter que esquecer,
é insuportável, é dor incrível"

Um comentário: