segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Degenerative Damages

Arranhões, furos, alergias... Tudo isso melhora um hora, no nosso interior ou exterior, cicatriza.
E isso se deve graças à regeneração das nossas células, todo dia isso acontece e a gente nem percebe, nem vê que está acontecendo e é justamente o que nos cura.
Então hoje quero falar sobre isso para que você consiga entender exatamente como suas células se regeneram, como elas passam do nada pra algo que pode possibilitar a sua vida: divisão; ela pega aquela célula ainda viável, aquele pedaço de vida que você tem e parte no meio.
Você DEVE se partir no meio para poder se regenerar.
Você se parte e espera que copiem o que te interessa, você se agarra ao que te interessa e à nada mais. Afinal de contas, quando a gente se parte, sentimos que nada mais importa a não ser o que perdemos.
Sinceramente, o processo de regeneração é maravilhoso, quase perfeito, eu diria.
Porque na verdade, quando a gente acha que tá bem e não tá; quando a gente acha que tá cicatrizada e não está, entramos em pane.
Os danos são tão grandes e a gente se convence tão rápido e pensa: com a mesma velocidade que a gente foi partida, a gente vai se regenerar.
E a gente diz à nossa cabeça que estamos bem, que não precisamos mais daquilo e nosso corpo ainda está multiplicando as células pra gente se regenerar, então ela vai mais rápido pra atender a demanda de cura, para fazer a gente aceitar a cura por inteiro.
E quando isso acontece, quando as células se multiplicam mais rápido do que a gente consegue, nasce o câncer.
E aí, a dor além de nos assolar, ainda fica à mostra, como se dissesse: hoje, querida, e só hoje... você perdeu.

2 comentários:

  1. CA
    RA
    LHO


    muito foda, Bih, tipo, vc é o pupilo e o mestre num só ser pq tá sempre se superando q

    vcqueélindasuabocó
    :*

    ResponderExcluir
  2. Woow.

    Muuito bom, adorei a analogia.
    Então quer dizer que se quisermos tanto assim, desesperadamente, nos curarmos a gente não se cura, só se destrói mais?
    Demos tempo ao tempo.
    E às células.

    ResponderExcluir