quinta-feira, 30 de outubro de 2008

\^^^o^^^/ -> Isso era pra ser uma coroa.

Ele chegou de mansinho e veio na minha direção.
Me perguntou se podia me pagar um drink e eu não soube dizer não.
Pedi um bem doce e ele riu da minha meninice.
Disse que eu tinha os olhos mais doces que ele já tinha visto e eu pensei: que tolice.
Eu ri e fingi acreditar.
Ele me tirou pra dançar.
Então agora éramos corpos sincronizados.
Cada vez mais próximos, cada vez mais animados.
No meio daquela muvuca ele perguntou meu nome e eu menti.
Disse que eu tinha covinhas adoráveis e me fez rir.
Então ele segurou a minha mão e me olhou e isso foi tudo que ele precisou fazer.
E eu me vi tirada da multidão e em um outro andar e ele disse: finalmente, só eu e você.
Deserto. 
Pareceu certo.
E então ele me abraçou e me colocou encostada na parede.
E me deu beijos que pareciam não saciar minha sede.
Tarde demais pra voltar atrás
Cedo, muito cedo, pra desejar muito mais...
Então aquele piercing no lábio dele me deixava louca
E eu desejei morrer beijando aquela boca
E ele me tocava de uma maneira que parecia saber do que eu gostava
Eu não podia me envolver com ele, eu fiquei com raiva
Do rosto de homem com os olhos dele de menino pidão.
Da minha necessidade de querer dominar seu coração.
Aí eu o mordi com força, sem querer.
Ele se afastou e me olhou sem entender.
Eu cruzei meus braços, fiquei emburrada e levantei uma alça da blusa caída no ombro.
Ele disse num sorriso que nele eu causava assombro.
Então um vento gelado passou
Ele tocou com delicadeza meu rosto e meu corpo todo se arrepiou
[não sei ao certo se pelo vento ou pelo toque]
Segurou a minha mão de novo e no chão ele se sentou
Disse com uma voz profunda e devastadora que eu não podia ser triste assim
Que eu era excessão nesse mundo tão ruim
Ele viu no meu rosto uma pureza coberta de uma espessa camada de gelo
E deitou, colocando a cabeça no meu colo enquanto eu mexia em seu cabelo.
Falou que eu devia ter mais esperança e que ele não ia me prometer que nunca ia me machucar.
 - Isso é otimismo exagerado. - ele disse - Eu sei que vou te desapontar.
E eu sei que parece ser loucura mais eu não quero nada diferente.
Eu vou te desapontar, mas nunca intencionalmente.
E a partir daquele momento eu sabia
Que estava sendo escrita uma história muito doce
E que eu o seguiria
Aonde quer que ele fosse
E assim os dias foram passando
E ele diz que eu sempre vou ser tudo o que ele quer
E se príncipe encantado não existe
Então eu não sei o que ele é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário