terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Eu queria que tu me ensinasse a ler tuas entrelinhas ou que suas verdades estivessem mais expostas sob longos cílios. Queria saber se nossa história cheia de desencontros te incomoda tanto quanto a mim, e se é tão difícil para você seguir após as convergências da nossa sina.
É árduo não saber se o que você enxerga quando me vê é algo que mereça perdurar, porque eu já tatuei você nas minhas pálpebras, te sinto a cada piscar de olhos. Me conta teus segredos, vai. Dos indecentes aos inocentes. Me deixa ler o que você deixa implícito, decodificar essa língua que só tua pupila é capaz de traduzir.
Abre tua mão e me deixar traçar com meus dedos as tuas linhas que a cigana afirmou conter teu rumo, e me desenha ali também. Por mais que eu ame teus mistérios, teu silêncio é maior do que as palavras que arranco da tua íris.
No teu silêncio existe um infinito do qual eu necessito, mas não consigo decifrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário