quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Dez

No meu tempo restante eu gosto de sucumbir à você só pra eu sentir seu gosto na minha língua.
Você destrói meus sentidos, meu corpo, minha alma e me desliga de todo tipo de emoção reprimida - ou não - que eu possa sentir. Você me desarma com seus toques certeiros e faz com que meu corpo inteiro desintegre junto aos seu para que fundidos eles sejam finalmente um só, como a gente costumava planejar.
Você se desloca em minha direção e o que acontece entre nós se desenvolve com tanta rapidez que deixa nossas cabeças desnorteadas, você me desenha com os dedos só pra dizer que vai guardar essa imagem, essa fantasia tocada pro resto da sua vida, me beija suavemente e fuma seu cigarro.
'Essa é a última vez', você diz, mas eu não acredito e nem você acredita. Vão haver mais vezes, mais dez vezes, mais mil vezes, mas haverão mais vezes, só porque a gente não se destruiu por inteiro ainda pra se descolar assim de uma vez.
'Baby steps', penso enquanto você me olha curioso.
Dez por cento do meu tempo, eu sucumbo à você, gosto do seu gosto na minha língua, gosto do teu cheiro no meu corpo e de sentir seus olhos em mim quando minha mente começa a vagar. Você destrói meus sentidos, meu corpo e minha alma, mas ainda não me destruiu por inteiro e enquanto isso não acontecer eu vou continuar desfrutando isso contigo.

Um comentário:

  1. "Dez por cento do meu tempo, eu sucumbo à você, gosto do seu gosto na minha língua, gosto do teu cheiro no meu corpo e de sentir seus olhos em mim quando minha mente começa a vagar. Você destrói meus sentidos, meu corpo e minha alma, mas ainda não me destruiu por inteiro e enquanto isso não acontecer eu vou continuar desfrutando isso contigo".

    Amor doente, de vontade, de instinto, passa...
    Mas a gente precisa apertar o botão de auto-destruição e sentir o gostinho nos lábios...
    E pior de tudo, não esquecer.

    ResponderExcluir