domingo, 20 de fevereiro de 2011

What Have You Done?

— E o que você fez? — Tommy estava com a cabeça pra fora da cama e disse numa voz meio nasalada
— Terminei. Não tava feliz.
— E pra você é fácil assim dizer isso? Céus, Livia.
— Eu pensei que eu fosse mais forte que isso, Tommy. Mas não sei, havia algo estranho entre a gente, era mais apego que amor, sabe? Eu não conseguia me separar dele, mas o via como uma propriedade, não como uma pessoa.
Tommy deitou na cama e colocou as mãos sobrepostas no peito. Livia escorregou até o chão e abraçou seus joelhos com as costas apoiadas na cama, os dois suspiraram.
— Cara, acho que eu matava um pra ter um rolo agora. — Tommy disse inconformado
— Homens e sua testosterona, taí algo que eu nunca vou entender.
— Não é só a caçada que me apetece, maninha, é o negócio por inteiro. Eu nunca amei nenhuma guria porque eu não quis.
— Acho que a melhor companheira prum homem não é uma mulher e sim a testosterona.
— Pára com o papo de testosterona, garota, tem nada a ver não.
— É... — Livia abaixou a cabeça e falou baixinho — Tommy, o que raios eu tô fazendo?
— Desperdiçando o amor.
— Apego.
— Amor, eu sei do que eu tô falando. Você nunca o viu como propriedade e diz isso na esperança de virar verdade, apego dá pra abandonar, amor não é descartável.
— Não digo que ele é descartável, mas que ele não é insubstituível.
— Livia, você é minha irmã e eu te amo até morrer, mas você consegue ser idiota. O menino te ama. TE AMA, vira o mundo dele por causa de você e você acha que um momento de deslize dele vai mudar isso? Vai se lascar, não é assim que o mundo funciona não e você vai levar muita porrada da vida se continuar assim. O que você tá fazendo da sua vida?
Livia ficou calada e ele prosseguiu:
— Eu nem acho que alguém me amou de verdade.
— E o que eu faço?
— Volta.
— Não posso, ele que venha me buscar e pedir isso.
— Você tá se impedindo de ir pra frente com ele. VOCÊ! Vive se fingindo de forte quando é igual à todo mundo, se entrega.
— E se eu quiser correr pra trás de novo?
— Eu vou estar sempre aqui, maninha...
— Tommy, e se eu não quiser mais ele?
— Você quer ele. — Tommy viu o olhar teimoso que a irmã o lançou e disse, abrançando-a — Você é amada, não é esse o sonho de todos? Você é amada, minha irmã e isso importa mais.

2 comentários:

  1. Chorei por dentro e senti as lágrimas atrás de meus olhos.
    Me identifiquei demais com a Livia, não só pelo que ela fez, mas ela própria.
    Me tocou, amiga T-T

    ResponderExcluir
  2. Que texto lindo, meu amorzinho *_*
    Espero que no final de tudo ela saiba o que realmente sente.

    ResponderExcluir