sábado, 24 de dezembro de 2011

Forgive, Not Forget

Quando as pessoas chegam num dado momento da vida delas, elas tendem a se arrepender das coisas que eles fizeram ou deixaram de fazer... As pessoas que eles amavam, mas não tiveram chance de mostrar porque estavam ocupadas demais fazendo beicinho pra conseguir tudo à sua maneira... Enfim, se existe um sentimento universal que todo mundo vai passar na vida, será com certeza o arrependimento.
Eu cuido em contar para as pessoas que eu amo, que eu as amo e que isso provavelmente não mudará num futuro próximo... Quer elas estejam aqui doo meu lado ou noutro continente, eu preciso pôr isso pra fora para que esse sentimento tão grande dentro de mim não transborde e caia no esquecimento. 
Confrontos são um pesadelo pra mim, então eu tendo a perdoar as pessoas pelos erros que elas cometem... Afinal de contas, você desperdiçaria uma amizade ou um amor por um errinho idiota? Quando a gente para pra ver quão besta a gente foi, talvez seja tarde demais pra mudar essa realidade e é terrível viver com o peso de uma coisa não resolvida e que permanecerá assim pra sempre.
O que eu realmente quero dizer é que eu perdoo e pra maioria das pessoas eu estou sendo ingênua ao fazê-lo, ou que eu estou dando motivo pra pessoa me sacanear de novo, mas eu quero deixar algo esclarecido: quando uma pessoa me fere, ela é perdoada, mas as coisas entre nós NUNCA serão as mesmas novamente e é como se fosse um bolo ou uma pizza, sabe? Cada um arranca o que pode de mim, mas quando esgota... Aí eu me esgoto.
E então... Eu perdoo.
Mas não esqueço.

2 comentários:

  1. Gostei da comparação com um bolo ou uma pizza.


    Eu queria ser um bolo ou uma pizza.

    ResponderExcluir