terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Ficaí

Da cozinha eu te vejo sério e minha sinusite já se manifesta contrária à ausência do hálito do seu papo calmo, curioso e um pouco engraçado, então fico pensando no que mais posso te oferecer pra você ficar aí. Burra, eu devia ter lotado meus armários antes de entregar mais uma vez minha dolorosa vontade de ser dois. Procuro um jeito de te manter descontraído morrendo de pânico que você só esteja distraído, misturando ausência com um tanto de curiosidade.

Parece exagero, mas é que você, poxa vida, só você conseguiu pular o muro de dificuldades que levantei em volta de mim quando as palavras dor, saudade, ausência, falta e despedida fizeram de mim uma menina de lata. Você e seus cabelos escuros, seu gênio sagitariano, seu abraço com cheiro de confiança e seus sorrisos dignos de comercial de creme dental. Eu, menina com os pés no chão e sem teto, acabei de decidir levar um choque térmico, atravessando bruscamente pro lado quente da calçada. Conto contigo. Então, ficaí.

2 comentários:

  1. Deus.
    Deus.
    Deus.

    "Parece exagero, mas é que você, poxa vida, só você conseguiu pular o muro de dificuldades que levantei em volta de mim quando as palavras dor, saudade, ausência, falta e despedida fizeram de mim uma menina de lata."

    Morri, sério.

    ResponderExcluir