sábado, 6 de junho de 2009

Hm, Piazza, New York Catcher

Fuja comigo e navegaremos pelo mundo. Serei seu Ferdinand e você minha garota instável.
Quantas noites de conversas em quartos de hotel você aguenta?
Quantas noites de moleza em feriados pagãos?
Fuja comigo em segredo e escolheremos algo empolgante, um caminho para o diabo apagar.
São Francisco nos chama, os Giants e Mets irão jogar. Piazza, receptor do New York, você é hétero ou gay?
Andamos pelo estádio, mas não temos lugar pra ficar. Andamos pelo espaços e gentilmente você fala sobre o livro mais triste que você já leu, que sempre te faz chorar.
A estátua está chorando também, e bem, ela pode.
Eu te amo e tenho uma caricatura de seu lindo rosto.
Eu te amo, minha responsabilidade encontrou um lugar ao seu lado e avisos fortes cobertos de palavras gentis me cobrem com os absurdos da família "Você tomará conta dela, sei disso, você fará um trabalho melhor". Talvez, mas não o que ela merece.
Fuja comigo e beberemos para nos manter acordados.
Experimentaremos as cafeterias e os certificados de qualidade;
Um lacre secreto para manter a sensação ao estilo de 1960.
Comentaremos sobre a decoração e ajudaremos um transeunte, e ao crepúsculo, quando o trabalho terminar, continuaremos o debate num pequeno quarto alugado.
O receptor tenta um .318 e o consegue todos os dias.
O arremessador põe a religião em prioridade e descansa nos feriados.
Ele entra em catedrais e deita estatelado no chão.
Ele sabe que a bebida afeta sua velocidade e está rezando por uma saída de volta para a vida que ele quer, e se confessa no banco.
A vida fora do diamante é dureza.
Queria que você estivesse aqui comigo para passar o fim de semana maçante.
Eu sei que não viríamos a amar, minha heroína finge os passos de uma senhora nas canções que nós amamos até este dia.
Você escolhe um epitáfio como "Vá embora, Renee", o sol sobre o telhado no inverno te arrancará daqui como uma flor.
Te encontro na estátua em uma hora.

Um comentário: