quarta-feira, 15 de junho de 2011

Tuas palavras (por mais tolas que soem agora, tantos anos depois) ainda são tudo o que me fazem não perder o que me resta de sanidade...

Por mais insano que isso seja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário