quinta-feira, 23 de junho de 2011

Tangled Tango


Eu e você entrelaçados no meio da sala, a música é lenta, a luz está baixa.
Podemos fazer exatamente o que quisermos, vamos lá? Me aperte em seus braços e sinalize que você quer estar aqui comigo para sempre, enquanto relutantemente eu te afasto de mim.
Caia no chão e finja estar ferido, que eu finjo achar que ganhei. Levante sorrateiramente e deslize as mãos pelo meu pescoço, provoque até eu querer mais, me faça não querer sair dos seus braços nunca. Me arraste contra minha vontade pela sala e me faça percorrer e conhecer aquele local mesmo de olhos fechados.
Agarre meus punhos e me beije com lascívia e me faça sentir cada toque, cada movimento que seu corpo faz junto ao meu. Me seduza e finja que foi sem querer, me deixa doida até a gente continuar nessa dança.
E quanto mais eu danço, mais eu me enrolo na sua teia, mais eu me enrolo em você. Então vem aqui, que você está laçado em mim e eu em você, mesmo contra minha vontade, vamos fazer nós de marinheiro na corda que nos une e diminuir essa distância entre a gente.
Vamos dançar esse tango enrolado, até a gente não querer mais se soltar.

Um comentário: