quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Your fragile heart...

Hmm, não?

Não vou ouvir, não pedi, não perguntei, não tenho interesse em saber qual é tua banda favorita, muito menos tua música favorita deles?

Não vou compartilhar meu gosto contigo e se você tem mesmo esperanças de que algum desses teus papos-furados proporcione alguma situação propícia para uma possível interação, o mínimo que seja, faço questão de te avisar que você está enganado (como você costuma estar em tantas besteiras que fala sem saber do que está falando).

Engraçado que eu costumo ser muito agradável, costumo simpatizar com colegas e minha vontade de compartilhar frações de meu mundo com alguns deles surge naturalmente, mas você conseguiu a proeza de me fazer criar uma repulsa que eu nunca havia tido ainda.

Você escolheu sofrer pela garota certa. Você não me conhece e se depender de mim nem vai. E não adianta você insistir, bancar o simpático ou o educado (se você soubesse o quanto isso me enoja e feeds my contempt...). Eu evitei esse comportamento, essa “revelação da minha parte fria”, ao máximo. Porém, você conseguiu alcançar um patamar de intolerância em mim que eu mal consigo disfarçar; pois é, não me importo com os teus sentimentos – I don’t give a damn, at all.

É ridículo. Você pensa mesmo que eu não sei das tuas artimanhas (se é que podemos chamar essas tentativas fracassadas de artimanhas) ultrapassadas de tentar se aproximar de mim? Você se acha mesmo engraçado quando faz brincadeiras toscas? Você se acha mesmo interessante? Acha mesmo que sabe alguma coisa?

Você insistiu na garota errada. Nem para insuflar meu ego você me serve.

Cresça e me erra.

3 comentários:

  1. ALOCAAAAAAAA
    ADOREI
    GO DRESSA GO!

    tem gente que não se toca mesmo né.

    ResponderExcluir
  2. NOOOOOOOOOOSSA
    típico "cresça e desapareça"
    OIUHASIUSAH nervosa, amiga, mas botei MUITA fé.

    ResponderExcluir