terça-feira, 8 de junho de 2010

Mais Um

Amor, eu vou contar-lhe mais um de meus segredos...

Toda noite, antes de dormir, eu me fecho para esse mundo tão passageiro e transporto-me para o nosso mundo. Ele é constituído de lembranças, sonhos e tudo parece ideal, como é de se esperar. Tudo se passa lentamente, desfruto cada segundo e, como se não bastasse, revivo cada preciso minuto. Lá, eu é que sou a Dona do Tempo.

Toda noite, antes de dormir, cultuo Mnemósine, aquela a quem devo as tantas emoções que resistem ao tempo; posso assegurar-lhe de que é pura a devoção.

Toda noite, antes de dormir, compartilho das tristezas de Nana, a esposa de Balder. A viuvez é algo que nos parece semelhante, de certa forma.

Toda noite, antes de dormir, deleito-me em nossos metafísicos abraços, assim como repouso sobre nossos planos traçados; doem-me parecerem tão longínquos, às vezes...

Toda noite, antes de dormir, contemplo teu sorriso e entrego-me ao teu convite noturno. Quando você parte, pereço sempre ao amanhecer. Renasço na esperança do fim, prontamente à tua espera.

Amor...

Toda noite, antes de dormir, desespero-me por ti.

3 comentários: