sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Waiting

Abre seu olho e olha bem no meu.
Você tá me vendo piscar, titubear ou qualquer coisa do gênero?
Se você tá, é porque você deve estar vendo coisa onde não tem, porque eu te digo e até em negrito eu não estou brincando, até porque eu não tenho razão pra brincar com uma coisa séria dessas.
Você tem que entender que quando você disse que era o fim, foi o fim pra mim, eu entrei no fundo de um poço e não sabia mais como proceder, parecia um ator com medo do palco: sabia o que eu tinha que fazer, mas na hora H eu desaprendia tudo ou tinha medo que você me olhasse e não sentisse absolutamente nada enquanto eu estava fazendo um milhão de declarações de amor pra você.
E de repente não parecia mais justo que eu ficasse no fundo do poço e você estivesse tão lindo me contemplando aí do seu pedestal, então eu resolvi ir subindo... Baby steps, darling.
Eu posso não ser essa pessoa maravilhosa e cheia de companheiros como você é, porque o seu excesso de "amigos" só denota quão sozinho você é, não para com um só, não tem o que eu tenho. E é exatamente por isso que eu olho pra você enquanto você me pede pra voltar e eu não vejo aquela criatura elevada e maravilhosa que me magoou.
Se eu estivesse no seu lugar, eu largava minha munição e começava a pensar que eu superei todo aquele sofrimento que você causou mais rápido que você tá superando minha ausência na minha vida.

Então pela última vez eu te digo:
Não.
Te.
Quero.
Mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário