quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Eu nunca aceitei a simplicidade do sentimento.
Eu sempre quis entender de onde vinha tanta loucura, tanta emoção. 
Nós éramos sem começo, sem meio, sem fim, sem solução, sem motivo.
Sinto falta da perdição involuntária que era congelar na sua presença tão aparentemente insignificante. Era a vida se mostrando mais poderosa do que eu e minhas listas de certo e errado. Era a natureza me provando ser mais óbvia do que todas as minhas crenças. Eu não mandava no que sentia por você, eu não aceitava, não queria e, ainda assim, era inundada diariamente por uma vida trezentas vezes maior que a minha.  

Um comentário:

  1. Uau. "Eu não mandava no que sentia por você, eu não aceitava, não queria e, ainda assim, era inundada diariamente por uma vida trezentas vezes maior que a minha. "
    É isso que eu tentava tanto explicar pra vocês.

    ResponderExcluir